BdF [92].jpg


Da Página do MST


Ao menos seis parlamentares, entre deputados federais e senadores, vão visitar municípios de três estados nordestinos para atos em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e contra a retirada de diretos comandada pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL).


É a ‘Caravana da Resistência: Por terra, aposentadoria digna e Lula Livre’, que começa nesta quarta-feira (31), em Juazeiro, norte da Bahia, e deve passar por dez cidades até a sexta-feira (2). A atividade será concluída na cidade de Caetés, em Pernambuco, onde nasceu o ex-presidente petista. 
 

“Vamos seguir com o que o presidente sempre fez antes de tirarem sua liberdade, percorrer o Nordeste, conversar com o povo e levar o debate sobre a onda de retrocessos promovidos desde o golpe de 2016. Assim poderemos contribuir com a organização da resistência para um novo tempo de esperança”, aponta o deputado baiano Valmir Assunção (PT-BA), que participa da jornada.


A caravana é organizada pelo Núcleo Agrário do PT, pela Liderança do partido na Câmara e por movimentos sociais. O deputado Paulo Pimenta (PT-RS), líder da bancada, vai participar do roteiro ao lado de Valmir Assunção, João Daniel, Carlos Veras (PT-PE), e dos senadores Humberto Costa (PT-PE), líder do PT no Senado, e Rogério Carvalho (PT-SE). 
 

“Lula pediu e estamos percorrendo o interior do Brasil para ouvir o povo e para denunciar as maldades que o governo Bolsonaro está promovendo, como a destruição da Previdência, o desmonte das políticas de reforma agrária, a liberação indiscriminada de agrotóxicos, a entrega da Amazônia para os EUA, a criminalização dos movimentos sociais e as ameaças aos jornalistas que exercem o seu ofício”, salienta João Daniel, coordenador do núcleo agrário.


As atividades com os parlamentares acontecem em acampamentos e assentamentos do MST e Contag, além de sindicatos, universidades e locais que tenham projetos dos governos de Lula e Dilma Rousseff.
 

“Estaremos todos os dias atualizando as agendas. Vamos levar mais dados nacionais e deixar mais nítido o único projeto de Bolsonaro, que é destruir com o Brasil e deixar nosso povo apático. Não permitiremos. Precisamos continuar ações contra a reforma da Previdência, lutar para que as atividades de inclusão social e econômica voltem à pauta da sociedade e do governo federal. E temos de atuar para que o governo acabe com o boicote às políticas de reforma agrária no país. As sandices de Bolsonaro vão destruir e estagnar o Brasil, entregando nossas riquezas para o capital externo”, completa Valmir Assunção.