BdF [84] - Dagmar Talga.jpg
O pernambucano Ferreira da Costa nasceu no Cariri e, ainda jovem, foi morar em São Luis, no Maranhão/ Foto: Arquivo Pessoal


Por Igor Carvalho
Do Brasil de Fato 


A data ainda está na lousa, em letras bem desenhadas: “Hoje é quarta-feira, dia 17 de julho de 2019”. Na frente do quadro verde, Cicera Alves Bezerra, de 62 anos, relembra o último encontro com o pedreiro Luis Ferreira da Costa, 72 anos, seu aluno. “Apesar da idade, ele queria vencer. Vinha assiduamente participar das aulas. Formávamos frases, fazíamos ditados e ele já estava lendo todas as palavrinhas que colocávamos na lousa. Para quem não sabia nada, era um grande avanço”, recorda a educadora.
 

Onze horas e trinta e nove minutos depois de se despedir de sua educadora, Ferreira da Costa entrou para a extensa estatística de assassinados na área rural do Brasil. Foi em Valinhos, na Estrada Jequitibá, na altura do número 7, às 8h39 do dia 18 de julho, que o vendedor Leo Luiz Ribeiro acelerou sua picape Mitsubishi L200 de três toneladas e passou por cima da cabeça do pedreiro.
 

Seu Luís, como era conhecido, faleceu de frente para o seu sonho. O pedreiro ajudou a organizar o acampamento Marielle Vive do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que existe desde abril de 2018 e homenageia a vereadora que foi brutalmente executada em 14 de março do mesmo ano. O militante do Movimento pretendia viver sua velhice em um pedaço de terra que pudesse chamar de “seu”. De luto em luto, da vereadora ao pedreiro, são tecidos os símbolos de solidariedade e resistência de um período cruel da história política do país.


O pernambucano Ferreira da Costa nasceu no Sertão do Cariri e ainda jovem foi morar em São Luis, no Maranhão. No nordeste, se fez pedreiro, ofício que o acompanhou por toda a vida e pelo qual era convocado com frequência pelos vizinhos do acampamento e pelo movimento. “Ele era pacífico e hospitaleiro, ajudava os vizinhos, se precisasse de uma ferramenta ele arrumava, dividia a comida com o próximo. Ainda nessa semana, ele me pediu uns preguinhos, para que ele pudesse terminar uma mesa grande, de madeira, que estava preparando para a cozinha da ocupação”, lembra Cenira Maria Martins de Oliveira, 68 anos, moradora do Marielle Vive.


Quando veio para São Paulo, em 2002, foi em Campinas, interior do estado, que Ferreira da Costa se instalou. Casado com Maria das Dores da Conceição, de 48 anos, o pedreiro é pai de seis filhos (à pedido da família, os nomes não serão revelados) com idades entre 19 e 35 anos. Fazia parte da rotina da família lidar com a falta de água no acampamento. Desde que o Marielle Vive se estabeleceu em Valinhos, a prefeitura se recusa a fornecer água aos moradores.


Quando foi assassinado, Ferreira Costa participava de uma manifestação na Estrada Jequitibá que reivindicava o fornecimento de água para o acampamento. “Ele morreu por causa disso. Ele foi sacrificado por causa da água. Se o Prefeito de Valinhos [Orestes Previtale (PSB)] tivesse nos ajudando com água, seu Luiz não tinha perdido a vida”, protesta Maria de Lourdes, 74 anos, moradora do acampamento.
 

BdF [82] - Dagmar Talga.jpg
Cicera Alves Bezerra e a última aula de
Ferreira Costa. Foto: Igor Carvalho 

Em grande parte das palavras com sílabas “gue” ou “gui”, o som do “u” não é lido, o que permite a dissociação de “ge” e “gi”, que quando pronunciadas emitem som similar ao “je” e “ji”. Cicera insistia já pela segunda aula seguida com Ferreira da Costa sobre essas regras. “Ele gaguejava demais para falar as palavras com ‘gue’ e ‘gui’”. Por isso, na última noite de vida, o pedreiro foi convidado pela educadora a construir frases com palavras propostas por ela. Na lousa, “gueixa”, “guerreiro”, “guerra”, “gueto”, “guepardo” e “gueixa”. De sua cadeira, o pernambucano ditou duas frases à professora: “Eu sou guerreiro” e “eu vou para a guerra.”
 

Em seguida, quando ainda faltavam 15 minutos para o final da aula, marcado para 21h, pediu para sair. “Ele passou a mão na barriga, tava com fome. Eu falei pra ele ir jantar que precisamos dos guerreiros fortes e ele foi”, lembra Cicera. No acampamento, foram cadastrados 40 analfabetos ou semianalfabetos, que foram convidados a estudarem na escola levantada no local. “No movimento (MST) nós alfabetizamos todo mundo, é nossa missão, todo mundo tem que saber ler e escrever”, explica a educadora.
 

Dos 40 militantes cadastrados, faltava apenas Luis concluir sua alfabetização. Restavam apenas 20 aulas, ou cinco semanas, para que ele alcançasse o diploma oferecido pelo movimento, que não é reconhecido pelo Ministério da Educação. “A força dele inspirava a gente”, sentencia Cenira Maria, que conta como Luiz reagia às provocações feitas pelos vizinhos da ocupação. “Ele não se importava, não tinha medo deles.”
 

O Marielle Vive fica em uma região nobre no município de Valinhos. Os vizinhos do acampamento são condomínios fechados com residências luxuosas, muitas que servem apenas como lugar de veraneio. De acordo com os moradores da ocupação, é comum que carros passem buzinando e gritando impropérios para os militantes do movimento.
 

“Passa muita gente aqui nessa estrada xingando, ‘vai trabalhar vagabundo, Bolsonaro vem aí’. Então, como é uma região de pessoas de poder aquisitivo mais alto, então… Algumas pessoas podem até ser que não tenham nada, mas tem essa 'cabeça' bolsonarista”, conta Cicera. Paulo Silva, que também mora no acampamento, explica que os vizinhos cultivaram “ódio” pelo movimento. “Eles acham que temos medo e por isso gritam com a gente.”
 

A hostilidade dos vizinhos, confirmada no assassinato de Luis Ferreira da Costa, fez com que a coordenação do movimento no local tomasse algumas medidas desde o princípio da ocupação. As mil famílias que ocupam o território são aconselhados a não sair do acampamento utilizando boné, camiseta ou qualquer outro adorno que tenha o símbolo e as cores do MST.

O assassino 

BdF [83] - Dagmar Talga.jpg
Nas redes sociais, exaltação de Bolsonaro e criminalização da esquerda


Utilizando sua picape L200, da Mitsubishi, com valor estimado em R$ 38 mil, de acordo com a tabela da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Leo Luiz Ribeiro, branco, 60 anos, morador do Jardim Eliza, em Valinhos, atropelou Luis Ferreira da Costa, semianalfabeto, pedreiro e morador do acampamento Marielle Vive do MST.
 

A fotografia dessa tragédia aponta para um assassino que reproduz, em suas redes sociais, o perfil do militante de extrema direita no país. As publicações de Leo Luiz Ribeiro, que é vendedor em um grupo que trabalha com produtos infantis, exaltam o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e sua equipe de governo e criminalizam políticos e movimentos de esquerda. Dentro do carro, ele carregava uma bandeira do Brasil.
 

O discurso de ódio ganhou vida com a morte na estrada do Jequitibá, número 7. O pedreiro se tornou símbolo da luta dos Sem Terra. O vendedor extremista de direita, que responderá pelos crimes de homicídio doloso, lesão corporal dolosa e fuga do local do acidente, passou a noite na Cadeia Pública em Campinas e, segundo o delegado Júlio César Brugnoli, titular da 1ª DP de Valinhos, pode ser condenado a 20 anos de prisão.


Edição: Pedro Ribeiro Nogueira/ Brasil de Fato