Da Via Campesina Internacional
 

Durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, em Nova York, a Via Campesina fez uma intervenção para afirmar a agricultura camponesa como uma verdadeira solução para a crise alimentar e climática que o planeta enfrenta.
 

Paula Gioia, em nome da Via Campesina, afirmou que “é urgente colocar a humanidade e a natureza antes do lucro. Nós, as/os camponeses/as, temos a solução imediata que nossas crianças e jovens exigem hoje nas ruas. Nós podemos ajudar a esfriar o planeta!" . Ele também pediu aos governos membros que representem suas populações e que se comprometam com esse setor para mudar o mundo.


Discurso completo abaixo:


Muito obrigado, Senhores/Sr. Presidente,


Queridas Excelências,
 

Obrigado por esta Cúpula oportuna e por nos convidar. Sou apicultora e represento a Via Campesina, um movimento campesino global de mais de 200 milhões de pessoas, que inclui camponeses/as, Sem Terra, povos indígenas, migrantes, trabalhadores agrícolas, mulheres rurais e jovens. Somos essenciais para alcançar os objetivos do desenvolvimento sustentável. Portanto, muito obrigado por nos dar a oportunidade de compartilhá-los aqui hoje.


Precisamos reconhecer as soluções dos/as agricultores/as e integrá-las. A agroecologia camponesa e a agricultura camponesa sustentável oferecem maneiras concretas de alcançar objetivos de desenvolvimento sustentável. Para alcançar a fome zero, a produção de alimentos deve ser baseada na agroecologia e na soberania alimentar, incluindo pequenos produtores/as de alimentos.


A agroecologia camponesa combina séculos de conhecimento e experiência com princípios científicos e ecológicos para desenvolver sistemas alimentares locais vibrantes que podem lidar com a pobreza e a marginalização. Promove alimentos nutritivos, saudáveis e culturalmente adequados, melhora a biodiversidade e responde aos efeitos da crise climática.


Excelências, os camponeses/as são os principais agentes de mudança, mas frequentemente somos marginalizados e privados de nossos direitos fundamentais, como o direito à terra, água e sementes. Portanto, é essencial promover, usar e implementar a Declaração das Nações Unidas sobre os direitos dos campesinos/as e outras pessoas que trabalham em zonas rurais.


Inúmeros relatórios de organismos das Nações Unidas, bem como, a recentemente reconhecida Década das Nações Unidas para Agricultura Familiar, que reconhecem os/as pequenos/as produtores/as de alimentos como um pilar de força em nossa sociedade. Alimentamos a maioria da população mundial há séculos e continuamos a fazê-lo.


Excelências, agora é urgente colocar os direitos humanos e a natureza antes dos benefícios. Nós, os/as camponeses/as, temos a solução imediata que nossos filhos e jovens exigem hoje nas ruas. Nós podemos ajudar a esfriar o planeta!


Para isso, precisamos que vocês, nossos governos, sejam ambiciosos, realmente nos representem e se comprometam conosco. Portanto, instituições de governança inclusiva, como o Comitê de Segurança Alimentar Mundial, devem ser fortalecidas. Temos o conhecimento e a visão para contribuir para moldar as políticas públicas e os investimentos necessários para uma transformação agroecológica bem sucedida.


Globalizemos a luta, para globalizar a esperança em todo o mundo!