fc8c577d-ed7a-441e-b596-ccdd066404fc.jpg
Plenária de Mulheres do PSOL. Foto: Divulgação

 

Da Página do MST

 

Na manhã deste sábado (3), a Polícia Militar (PM) de São Paulo intimidou militantes do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) no início de uma Plenária de Mulheres, que acontece no Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo (Sinpeem), localizado na região central da cidade.


Em solidariedade as mulheres e em denuncia a ação da PM, o MST emite uma nota em defesa do livre direito de organização e manifestação. Além disso, exige que a Secretaria de Segurança Pública se pronuncie sobre o caso.


Leia a nota na íntegra: 

 

MST SE SOLIDARIZA COM AS MULHERES DO PSOL E DENUNCIA AÇÃO DA PM DO GOVERNADOR DÓRIA


O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) manifesta solidariedade às mulheres do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) reunidas hoje (03), no Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo (Sinpeem) na capital paulista. 


Por volta das 9h as mulheres foram surpreendidas pela Polícia Militar (PM) de João Dória que foi até o local, pediu documentos pessoais para as organizadoras e tentou intimidar as presentes. Segundo o PSOL, a PM afirmou que elas estavam sendo monitoradas e que voltariam mais tarde ao local.


Pelo livre direito de organização e manifestação, repudiamos tal atitude e exigimos que a Secretaria de Segurança Pública se pronuncie imediatamente.


As mulheres resistiram e a plenária segue! 


A luta segue! Por Marielle e por todas nós! Não vão nos calar!


MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA – MST
03 de agosto de 2019
São Paulo – SP