Riqueli Capitani.jpg
Jornadas de Agroecologia é uma das maiores expressões desse projeto popular de agricultura. Foto: Riqueli Capitani


Da Página do MST


Em seis meses à frente do governo, Jair Bolsonaro liberou 239 novos tipos de agrotóxicos. Os efeitos, nocivos à saúde de produtores, consumidores e ao meio ambiente, preocupam especialistas e a população em geral. Na contramão do ataque promovido pelo executivo federal, um amplo movimento agroecológico ganha força no Brasil.


A Jornada de Agroecologia, que teve a primeira edição realizada no Paraná em 2002, é uma das maiores expressões desse projeto popular de agricultura. De lá para cá, o evento passou por 8 cidade do estado, e vai ocorrer pela segunda vez na capital paranaense este ano. 

 

feira 1.jpg
Foto: Eduardo Matysiak  

A 18ª edição da Jornada será de 29 de agosto a 1º de setembro, em alguns dos pontos mais populares da região central de Curitiba. Jakeline Pivato, integrante da coordenação da Jornada, explica que o objetivo é manter o evento como um amplo espaço de unidade das organizações que estão na resistência no entorno da Agroecologia na produção, na pesquisa, na capacitação, na luta pela terra e na defesa de território. 


“Queremos apresentar para a sociedade que um outro modelo de agricultura é possível, é viável e existe. Não é uma ideia abstrata e está aí. É a produção da alimentação saudável a partir das mãos de trabalhadores”, garante. 


Pivato ressalta a ação agroecológica como ferramenta de manutenção da cultura popular e do desenvolvimento de tecnologias, para o avanço no debate sobre a ciência e luta por políticas públicas que coloquem os seres humanos e a natureza em primeiro lugar. 


Campanha 


Para viabilizar a realização da edição deste ano, as mais de 30 organizações integrantes da Jornada lançaram, nesta quinta-feira (11), uma campanha de financiamento coletivo. A apresentadora de televisão e culinarista Bela Gil é a porta-voz da campanha e encabeça o primeiro vídeo de mobilização. 

 

henrique kugler.jpg
Foto: Henrique Kugler

Para contribuições feitas a partir da plataforma online Kickante, há sete opções de valores, que variam de R$ 25 a R$ 1 mil. Entre as recompensas para apoiadores estão alimentos agroecológicos e produtos personalizados com a marca da Jornada. Nos próximos dias também serão divulgados pontos físicos para coleta de apoios.  


A meta é conseguir R$ 120 mil de apoio em 40 dias. O valor não corresponde ao montante total necessários para a realização do evento, no entanto será relevante para os custos com transporte de agricultores e agricultoras, infraestrutura e materiais gráficos. 


Programação 


A Praça Santos Andrade será novamente ocupada pela feira de produtos vindos de áreas da reforma agrária e de territórios de povos tradicionais, pelos práticos típicos oferecidos na “Culinária da Terra”, e pelo palco de apresentações culturais e shows.  

 

Comunicação Jornada.jpg
Foto: Campanha Estadual da Feira

O Pátio da Reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR) vai receber o “Túnel do Tempo”, uma espécie de museu sobre a história da agricultura e da luta pela terra, construído com a participação de estudantes de escolas públicas. 


Conferências, seminários, rodas de conversas e oficinas vão garantir a formação em temas relacionados à Jornada. A programação completa e mais informações sobre como participar do evento serão divulgadas na próximas semana. 
 

Post 1 redes.jpeg

Como contribuir


1. Pela internet, pelo link kickante.com.br/campanhas/18a-jornada-agroecologia


2. Depósito ou transferência (sem recompensas) 


Conta Bancária:
Associação de Cooperação Agrícola e Reforma Agrária do Paraná (ACAP)
Banco Itaú
AG: 3834
CC: 25030-4
CNPJ: 02.881.494/0001-96