Da Página do MST

 

Psicóloga, escritora e jornalista, Marta Harnecker, de nacionalidade chilena, foi uma das principais investigadoras e divulgadoras do pensamento e das experiências de transformação social da América Latina.Harnecker morreu aos 82 anos neste sábado (15), em decorrência de tumores no cérebro.


Acompanhe a nota:


O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra despede-se com profundo pesar de Marta Harnecker, nossa companheira de luta, amiga e educadora da Escola Nacional Florestan Fernandes.


Chilena de nascimento, cubana por adoção afetiva, Marta testemunhou e produziu reflexões sobre as lutas sociais latino-americanas, em especial as revoluções da segunda metade século XX, como o  Cuba, Chile, Nicarágua e El Salvador. Marta nos deixa como legado também o compromisso e a convicção no socialismo, que defendeu intransigentemente, fazendo as necessárias críticas, mas sem se render ao reformismo ou ao pragmatismo político.


Socióloga, jornalista, educadora, nos deixa o legado do estudo e uma produção profícua e de qualidade sobre os dilemas, contradições, mas também as riquezas dos processos sociais latino-americanos. O Movimento Sem Terra teve o privilégio de estar no centro dos seus estudos, cujas reflexões resultaram em livros e filmes. Mas, principalmente, tivemos a oportunidade de ouvir e aprender com Marta em diversas ocasiões, desde os nossos primeiros anos, o que a torna responsável pela formação de centenas de trabalhadores Sem Terras, em especial, nos últimos anos, na Escola Nacional Florestan Fernandes.


Manifestamos nossa solidariedade à família e ao povo cubano que a acolheu e nos comprometemos em manter vivo seu legado através do estudo e da luta.

 


Direção Nacional do MST -16 de Junho de 2019