b4e56aba-1f91-472a-a07d-bcb8d4f2bc05.jpg
Brasil para contra a reforma da Previdência. Arte: Brasil de Fato

 

Do Brasil de Fato

 

As doze centrais sindicais brasileiras, com o apoio de organizações populares e estudantis, da Frente Brasil Popular e da Frente Povo Sem Medo, convocaram uma Greve Geral nesta sexta-feira (14) contra a reforma da Previdência e os retrocessos promovidos pelo governo Jair Bolsonaro (PSL).


O país amanheceu paralisado. Em dezenas de capitais, não há transporte público. Por 24 horas, o governo federal e os empresários favoráveis à reforma sentem no bolso os impactos da insatisfação popular.


Além do direito à Previdência, os grevistas reivindicam do governo federal o fim dos cortes na educação pública, o respeito à soberania nacional e medidas efetivas para geração de empregos.


A lista de trabalhadores mobilizados é extensa: bancários, professores, metalúrgicos, trabalhadores da educação, estudantes e docentes de universidades federais e estaduais, trabalhadores da saúde, de água e esgoto, dos Correios, da Justiça Federal, químicos e rurais, portuários, agricultores familiares, motoristas, cobradores, caminhoneiros, eletricitários, urbanitários, vigilantes, servidores públicos estaduais e federais, petroleiros, enfermeiros, metroviários, motoristas de ônibus, previdenciários e moradores de ocupações por todo o Brasil.


Acompanhe a cobertura Minuto a Minuto do Brasil de Fato e não perca nenhum detalhe das paralisações e dos atos políticos da Greve Geral nas principais cidades do país.