Por Bárbara Vida
Da Página do MST

 

​Depois dos grandes atos puxados pelos estudantes em 15 e 30 de maio contra o desmonte na Educação, agora as centrais sindicais realizam uma GREVE GERAL em 14 de junho. Entre as pautas, destaca-se o movimento contra a reforma da Previdência proposta pelo Governo Bolsonaro, contra os cortes na Educação e outras medidas prejudiciais para o desenvolvimento do país.


Neste clima de preparação, separamos 15 filmes para assistir e ver como as greves podem fazer a diferença nos rumos de um país. Confira!
 

1. Peões (Eduardo Coutinho/ Brasil/ 2004)


O documentário mergulha na busca pelos metalúrgicos do ABC paulista que participaram das maiores greves do século 20. O movimento mudou a face do sindicalismo brasileiro, forneceu as bases para a criação do Partido dos Trabalhadores (PT) e fez emergir a figura do líder Luiz Inácio Lula da Silva.


​2. A Patagônia Rebelde (Héctor Olivera/ Argentina/ 1974)

Entre 1920 e 1923, trabalhadores rurais do sul da Argentina, agrupados em sociedades anarquistas e socialistas, decidem fazer uma greve exigindo melhorias nas condições de trabalho. Adaptação de um livro de Osvaldo Bayer, La Patagonia Rebelde.
 


3. As Sulfragistas (Sarah Gavron/ Reino Unido/ 2005)
 

No início do século XX, após décadas de manifestações pacíficas, as mulheres ainda não possuem o direito de voto no Reino Unido. Um grupo militante decide coordenar atos de insubordinação, quebrando vidraças e explodindo caixas de correio, para chamar a atenção dos políticos locais à causa. 
 


4. Pão e Rosas (Ken Loach/ França, Reino Unido, Suiça, Espanha, Alemanha/ 2000)


Sam é um ativista americano que luta pelos direitos dos oprimidos. Maya e Rosa são duas imigrantes mexicanas vivendo nos Estados Unidos, e que trabalham como faxineiras em um prédio comercial. Suas vidas se cruzam, e Sam faz Rosa e Maya abraçarem a sua causa e lutarem contra os próprios patrões.
 


 

5. Dias de Greve (Adirley Queiróz/ Brasil/ 2009)


Uma greve de serralheiros é deflagrada em uma cidade de periferia da Capital Federal. Neste período, muito mais do que um possível despertar para uma consciência de classe, os grevistas redescobrem uma cidade e um tempo que não mais lhe pertencem.



6. Eles não Usam Black Tie (Leon Hirszman/ Brasil/1981)

Baseado na peça teatral de Gianfrancesco Guarnieri. Ano de 1980, um dos últimos da ditadura militar no Brasil. Em São Paulo, a greve dos operários se prepara, dividindo os sindicalistas mais lúcidos e calculistas e os mais ansiosos e impulsivos. 
 


7. A Greve (Serguei Eisenstein/ Rússia/ 1925)

O suicídio de um operário injustamente acusado de roubo é o estopim para o início de uma greve numa fábrica russa, em 1912. O lento processo de negociação expõe uma série de ações e contra-ações entre grevistas e polícia.
 


8. Braços Cruzados, Máquinas Paradas (Sérgio Segall, Roberto Gervitz/ Brasil/ 1979) 


Documentário que acompanha os principais acontecimentos do movimento operário em São Paulo e na Grande São Paulo, em 1978: as greves de maio, as eleições para a diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos (um dos maiores da América Latina), a manifestação contra a inflação na Praça da Sé e a greve geral dos operários em novembro. 



9. Orgulho e Esperança (Matthew Warchus/ Reino Unido/ 2014)


No ano de 1984, Margaret Tatcher está no poder e os mineiros estão em greve. Depois do orgulho gay chegar em Londres, um grupo de ativistas gays e lésbicas decide arrecadar dinheiro para enviar às famílias dos mineiros. 
 


10. Cart (Ji-young Boo/ Coreia do Sul/ 2004)


SunHee é mãe de duas crianças. Ela trabalha em um supermercado como caixa. HyeMi é uma mãe solteira e colega de trabalho de SunHee. SoonRye trabalha como zelador na mesma loja. DongJoon é o único membro masculino do sindicato no mercado. De repente, trabalhadores são demitidos. Os trabalhadores demitidos se revoltam contra suas demissões injustas.


11. Maio, Nosso Maio (Farid Abdelnour/ Brasil/ 2011)


Feita com Software Livre e em um processo coletivo, a animação "Maio Nosso Maio" apresenta de forma leve e compromissada uma leitura histórica que resgata o sentido original do Dia dos Trabalhadores.

Maio, Nosso Maio from Estúdio Gunga on Vimeo.


12. O Sal da Terra (Hebert J. Biberman/ EUA/ 1954) 


Conta a história de uma greve em 1951 feita por operários mexicanos contra uma empresa exploradora de minério de zinco. Com inspirações no neorrealismo italiano, alguns dos atores são os próprios trabalhadores grevistas. O filme também possui um aspecto feminista muito forte, já que um dos conflitos do filme é a recusa dos homens em deixar as mulheres participarem da greve.
 


13. Revolução em Dagenham  (Nigel Cole/ Reino Unido/ 2010)

As operárias da fábrica da Ford de Dagenham vivenciam uma rotina desgastante de trabalho, atrelada a condições precárias e longas jornadas. O basta vem em 1968 quando são classificadas como não qualificadas. Motivadas por Rita O’Grady, as mulheres passam a reivindicar a igualdade de direitos em relação aos salários e o fim da discriminação sexual. 
 


14. ABC da Greve (Leon Hirszman/ Brasil/ 1990)

 O filme cobre os acontecimentos na região do ABC paulista, acompanhando a trajetória do movimento de 150 mil metalúrgicos em luta por melhores salários e condições de vida. Sem obter êxito em suas reivindicações, decidem-se pela greve, afrontando o governo militar. 
 


15. Os Traidores (Raymundo Gleyzer/ Argentina/ 1972)


Um drama tendo como pano de fundo o cenário da burocracia sindical, na qual os antigos sindicalistas com consciência social e aspirações revolucionárias pela causa operária se tornam meros instrumentos da sociedade burguesa para a manutenção e perpetuação dos sistemas de opressão trabalhistas e de classe. 


 

*Editado por Fernanda Alcântara