Tulipa[1].jpeg
A artista Tulipa Ruiz visita afetados pelo rompimento da barragem em Brumadinho

 

Por Agatha Azevedo
Da Página do MST

 

Com o objetivo de entender a realidade das famílias Sem Terra atingidas pelo crime da Vale em Brumadinho, a cantora Tulipa Ruiz visitou na última segunda-feira (20) os acampamentos Pátria Livre e José Nunes, localizados no município de São Joaquim de Bicas, na região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais.
 

A artista visitou a Escola Elizabeth Teixeira e conversou sobre a educação do campo, a relação de aprendizagem ligada ao contexto em que se vive e a pedagogia do movimento. Além de conhecer os acampamentos, Tulipa e o irmão, Gustavo Ruiz, também conversaram com a comunidade para compreender um pouco mais sobre como a mineração está afetando a vida no local, e visitou a margem do Rio Paraopeba, contaminada pelos rejeitos.
 

Sobre as motivações da visita, Tulipa falou sobre o compromisso de entender as consequências reais dos que foram afetados pelo rompimento da barragem, visitando e conversando com as pessoas, pois, segundo ela, "a imprensa tradicional nos manipula cada vez mais e nos contextualiza cada vez menos".
 

"Vim buscar informação com os trabalhadores do campo. Com mulheres, homens e crianças que lutam contra o envenenamento da terra, contra a mineração descabida e criminosa e contra o agronegócio. Pessoas que questionam cotidianamente o modelo de mineração e defendem um modelo que seja construído socialmente, com a participação consciente da população. Trabalhadoras e trabalhadores da terra que tem a agroecologia como perspectiva de vida, de construção de mundo", conta a cantora.


Extrapolando os temas da educação, saúde, produção e cultura, Tulipa também conversou sobre a organização dos artistas na luta e na resistência no próximo período. Segundo Guê Oliveira, do coletivo de cultura do MST, a proposta do Movimento é pensar "como construir junto, de maneira coletiva, a resistência através dos artistas e da arte, em seu papel militante".
 

Como síntese da visita, Tulipa falou sobre a insegurança de viver tão próximo às barragens, e sobre a resistência cotidiana das famílias. "O constante estado de alerta é desesperador. E o descaso das empresas envolvidas e do poder público também. Já a força das pessoas que habitam e resistem nestas terras é revolucionário”, afirmou a artista, que concluiu: “Que nossos olhares não desviem das pessoas que vivem e resistem em Brumadinho e Mariana. Máximo respeito aos trabalhadores da terra e seus saberes."
 

*Editado por Fernanda Alcântara