Da Página do MST 

 

Hoje (20), Divino Salvador Gomes, conhecido como Nenê Gomes, pai do prefeito do município de Riversul (José Guilherme Gomes do PDT), tentou por duas vezes disparar uma arma de fogo contra um trabalhador Sem Terra, integrante do assentamento emergencial 8 de março.


Por sorte, a arma falhou e os tiros não foram efetuados, mas a intenção de assassinato é evidente. Além disso, Nenê já havia feito várias ameaças diretas contra os trabalhadores e trabalhadoras Sem Terra do local. 


O pai do prefeito é um invasor irregular da área pública, Fazenda Can Can, que está em disputa judicial há onze anos.


A área em litígio está hoje na posse das famílias através de decisão judicial - um agravo de instrumento, no qual o Tribunal de Justiça de SP mantém as famílias na área até que seja julgado o processo de reintegração de posse que o ITESP (Instituto de Terras do Estado de São Paulo) move contras os invasores irregulares, entre eles, Nenê Gomes.


No momento há muita tensão na área, já que o agressor prometeu voltar ao local. Exigimos que o governador João Dória, o Secretário de Segurança Pública, o Secretário de Justiça e o ITESP, tomem providências contra essa tentativa de assassinato.


A morosidade extrema do estado em cumprir a lei, o incentivo ao armamento de ruralistas e as recentes declarações de incitação à violência por parte do governo estadual e federal, incendeiam o campo brasileiro e aumentam os conflitos.


Repudiamos tal postura irresponsável por parte dos chefes do executivo, os quais declararam subordinação dos seus respectivos governos à Constituição, e nela a vida está acima da propriedade privada, e não o contrário. 
Pedimos solidariedade de entidades e defensores da Reforma Agrária que entrem em contato com as autoridades competentes, exigindo providências.