Formatura [1].jpg
Formatura aconteceu no Centro de Formação Frei Humberto, em Fortaleza - Foto: Divulgação MST

Por Aline Oliveira
Da Página do MST

 

Na noite do último sábado (18) aconteceu no Ceará a formatura de 50 educandos(as) , filhos e filhas de assentados da Reforma Agrária. Durante 7 meses, a turma participou de um processo de formação técnica, politica e organizativa. A atividade aconteceu no Centro de Formação Frei Humberto, em Fortaleza.


O curso de extensão e capacitação técnico em Gestão de Cooperativas é uma realização do Centro de Formação Capacitação e Pesquisa Frei Humberto, setor de produção do MST no Ceará em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Agrário (DAS), através do Projeto São José III, financiado pelo Banco Mundial.
 

Para Ricardo Cassundé, coordenador do curso, a formação destes educandos foi uma grande conquista, fruto da luta dos trabalhadores(as) em defesa da autonomia e do direito de beneficiar seus produtos e colocá-los no mercado a produção camponesa. “Nesse ano em que o MST do Ceará completa 30 anos de lutas, conquistas e resistência popular, temos de fato que comemorar essa vitória. E viva a Cooperação, o MST e a luta do povo!”.
 

O curso homenageou uma das matriarcas da luta pela terra no Ceará, nomeando a turma de Maria Lima, a mulher que rompeu as cercas do latifúndio no estado dando origem a primeira ocupação de terra feita pelo Movimento dos Trabalhadores(as) Rurais Sem Terra no estado.
 

Emocionada com a homenagem, Maria Lima participou da mística de abertura da noite, trazendo consigo muitas histórias de lutas, não somente pela terra, mas principalmente pela libertação dos povos, em defesa da vida e da dignidade humana.
 

O curso de extensão técnica em Gestão de Cooperativas teve carga horaria de 438 horas, distribuídas em 6 etapas entre aulas presenciais e experiências em comunidade.  Os eixos temáticos se dividiram entre Formação política, questão agrária e desenvolvimento; Relações Humanas e Cooperação; e Gestão Cooperativa, Técnica e Financeira.
 

Diante do cenário de resistência ativa e formativa, o curso teve como objetivo dar suporte à parte produtiva, fortalecer as agroindústrias do leite, do mel, da mandioca, do cajú e dos caprinos na área organizativa e comercial.
 

Projeto São José III
 

O projeto São José III é uma realização da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), financiado pelo Banco Mundial, e tem como objetivo o fortalecimento da agricultura familiar e do bem estar das comunidades rurais. A perspectiva é aumentar a inserção econômica no âmbito das cadeias produtivas promissoras, bem como ampliar a renda das famílias, dinamizar as unidades de produção e agregar valor de comercialização aos produtos, entre outros.
 

Os assentamentos de Reforma Agraria do Ceará foram contemplados com 98 projetos. Para receber estas iniciativas foram criadas cooperativas  regionais que atuam na organização e comercialização da produção. Cada cadeia produtiva conta ainda com uma agroindústria de grande porte, sendo estas, do leite, do mel, da mandioca, do cajú e dos caprinos.


Editado por Fernanda Alcântara