sopro-da-vida.png

 

Da Página do MST 

 

Quando o pequeno Win Dan, da etnia Wapichana, no auge de seus quatro anos, decide salvar as ‘plantas bebês’ [sementes ] no cerrado do Planalto Central do Brasil, ele não imagina a grande aventura cheia de descobertas e transformações que vem pela frente.


Esse é o pano de fundo do vencedor do Concurso Literário FNLJ (2017), O Sopro da Vida - Putakaryy Kakykary.


Escrito por Kamuu Dan Wapichana, com ilustrações de Marcos Viana e Andrea Diogo, o livro bilíngue, lançado pela Editora Expressão Popular, além de aproximar a cultura e os costumes indígenas das crianças, trata com uma linguagem lúdica, de assuntos sérios como a violência sofrida nas aldeias por parte do agronegócio, do latifundiários, madeireiros, mineradores e pelo poder econômico.


Para o autor Kamuu Dan, o livro foi feito e pensado para que as crianças da cidade, que muitas vezes são criadas longe da natureza, sejam despertadas desde já para a importância da preservação.


“Com o aumento das construções de prédios nas cidades as árvores estão morrendo, consequentemente as sementes com a falta de polinizadores naturais também. Aqui no Planalto Central existe uma destruição em massa de território pela agricultura em prol da monocultura de soja. Assim, com esse trabalho - que foi construído coletivamente - queremos mostrar para as crianças a importância de defender as sementes, que são nosso maior patrimônio. Para nós, esse processo deve ser pensando desde a infância porque o protagonismo é dessa nova geração”, diz.


Dan também chama atenção para defesa do direito à terra e à alimentação saudável abordadas no livro.


"Ao tentar curar as sementes, Win Dan se depara com a figura do Pajé e descobre a sua importância na cultura indígena. O Pajé, essa  figura sagrada é quem nos ensina sobre a natureza, preservação da sociobiodiversidade, cultura e, sobretudo, cuidado", finaliza. 


O Sopro da Vida é uma narrativa de amor. Um punhado de esperança em que as tradições ancestrais de respeito, conhecimento e cuidado da natureza germinam desde a infância.