Ondina [4].jpeg
Polícia Militar cercou arbitrariamente o acampamento Ondina Dias
Foto: Correio9


Por Mariana Motta
Da Página do MST



A Policia Militar despejou nesta terça-feira (23) 70 famílias de trabalhadores rurais organizadas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) na cidade de Nova Venécia, interior do Espírito Santo. A Fazenda Neblina é um latifúndio de 594,5 hectares que pertence que a família Sltoi e possui uma dívida de R$27 milhões com a União.


Mesmo com o despejo marcado para terça-feira (23), a Polícia Militar arbitrariamente cercou o acampamento Ondina Dias desde a segunda (22), impedindo a saída e a entrada dos caminhões para retirar os pertences das famílias.


Na segunda, as famílias ocuparam uma área da Prefeitura de Nova Venécia conhecida como Pequeno Mundo. Embora a área de 10 alqueires tenha sido indicada para as famílias após o despejo, a Polícia Militar tentou impedir as famílias de saírem com os seus pertences do espaço do acampamento.


Durante a manhã desta terça houve um impasse entre os trabalhadores Sem Terra e a prefeitura de Nova Venécia, que inicialmente não queria disponibilizar o local para as famílias ficarem após serem expulsas do acampamento. A Secretaria Estadual de Direitos Humanos juntamente com os advogados do MST contribuiram para que o acordo fosse feito.


História de luta


A Fazenda Neblina encontra-se em uma área de preservação ambiental da reserva natural da pedra do Elefante, com importante função social na região e no estado. As famílias acampadas denunciam que há em processo de negociação com o crédito fundiário, o que implica o descumprimento da legislação ambiental e da função social da terra caso esta venda se efetive.


Da mesma forma, o MST reivindica a área para a criação de um assentamento agroecológico, estruturado no Plano de Desenvolvimento de Assentamentos Sustentáveis (PDS), e que gere trabalho, renda e qualidade de vida para as famílias.

Ondina [5].jpeg
Acampamento em Nova Venécia
Foto: Correio9


O município de Nova Venécia no norte do estado do Espírito Santo, tem um histórico muito forte na luta pela terra. O município conta com 10 assentamentos, com 296 famílias assentadas em 3.614,8793 hectares (uma média de 12,2 hectares por família). Estas famílias geram trabalho e renda na produção de alimentos para subsistência, bem como abastecimento da cidade através de feira livre, e são responsáveis por uma marca importante no cultivo de café conilon e pimenta do reino da região.


Entre os assentamentos já conquistados no município de Nova Venécia estão o Carlos Lamarca, 16 de Abril, Três Pontões, Pipinuck, Gaviãozinho, Adão Preto, Córrego Alegre, Travessia e Celestina.


Os Sem Terra afirmaram que seguirão reivindicando a destinação da área da Fazenda Neblina para reforma agrária, com a implementação de um assentamento agroecológico, criando trabalho e renda para famílias.  Eles esperam que o governo Casagrande não feche os olhos para os desafios de resolução dos conflitos agrários no estado do Espírito Santo e reivindicam a disponibilização de terras devolutas ou desapropriação de terras para fins de Reforma Agrária.


Editado por Fernanda Alcântara