Da Página do MST 

 

Entidades de pesquisas, movimentos populares e sindicais, participaram no Rio de Janeiro do 8° Encontro Nacional do Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional, cujo tema foi “Como não falar em comida de verdade se a fome está de volta?”.


O Fórum, que já tem 20 anos de existência, foi criado em 1998 com o propósito debater e traçar estratégias de luta pelo direito humano à alimentação adequada. 


O 8° encontro do Fórum colocou no centro do debate justamente os prejuízos à soberania alimentar causados por medidas como a reforma Trabalhista, que precarizou o mercado de trabalho, e a Emenda Constitucional 95, que congela os investimentos públicos por 20 anos, entre eles, o Programa de Aquisição de Alimentos.

 

Abaixo leia a carta final escrita durante o Fórum:

 

 

Sem democracia não há Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional

 

O FBSSAN divulga a carta política do 8ª Encontro Nacional, realizado entre os dias 12 e 14 de novembro. Cerca de 80 participantes de organizações e movimentos sociais das cinco regiões do Brasil se reuniram no Rio de Janeiro para debater o tema “Como (não) falar de comida de verdade se a fome está de volta?


As cirandas, as mãos dadas e os afetos deram ritmo e voz aos diálogos. Expressaram a importância vital do ativismo brasileiro articulado, e bem entrelaçado, em rede de saberes e solidariedades. Os fios destas tramas tecem a vigilante luta pela Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional e pela democracia.


Em 2018, o Fórum completou 20 anos de atuação vigorosa e ininterrupta na construção de políticas públicas no campo da alimentação e nutrição. Com a legitimidade conferida por uma ampla rede de atores sociais, o FBSSAN renova seu compromisso de fortalecer as lutas gerais da sociedade brasileira por democracia e liberdade de expressão e manifestação.


De acordo com o documento, a defesa da pluralidade e diversidade é estratégia essencial para o enfrentamento das desigualdades. Sistemas alimentares mais justos, saudáveis e equitativos são viáveis e absolutamente necessários, apoiados na construção de novas relações campo-cidade. As denúncias, alertas e caminhos apontados na carta constituem um chamado à mobilização sob o lema “Sem democracia não há Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional”.


Você pode acessar e divulgar a mesma, clicando aqui