Seminário reuniu cerca de 50 famílias que produzem orgânicos. Foto Cleomar Pietroski.jpeg
Seminário reuniu cerca de 50 famílias que produzem orgânicos no RS.
Foto: Cleomar Pietroski

 

Da Página do MST

 

Cerca de 50 agricultores e agricultoras que produzem alimentos agroecológicos na região Metropolitana de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, participaram, nesta última segunda-feira (30), de um seminário sobre certificação orgânica. O evento, que aconteceu no Assentamento Integração Gaúcha, em Eldorado do Sul, foi promovido pela Cooperativa Central dos Assentamentos do RS (Coceargs) e Cooperativa dos Trabalhadores Assentados da Região de Porto Alegre (Cootap).


Segundo Cleomar Pietroski, técnico agrícola e coordenador do Setor Estadual de Certificação da Coceargs, o objetivo foi discutir a construção da certificação participativa no Brasil e no MST, além de tratar temas referentes à documentação, aos manejos e princípios da agroecologia. Também esteve em pauta a estrutura organizativa da certificadora OPAC-Coceargs.


“É um processo coletivo, em que a participação coletiva das famílias é fundamental. Esse foi um momento muito importante, que vai estreitar a relação entre produtores e consumidores e gerar credibilidade e confiança em relação ao trabalho que é feito no campo”, explicou.


Hoje, a OPAC-Coceargs envolve cerca de 170 famílias no processo de certificação participativa nos municípios de Viamão, Eldorado do Sul, Nova Santa Rita, Charqueadas, Encruzilhada do Sul, São Jerônimo, Guaíba e Capela de Santana. Conforme Pietroski, outras 100 famílias da região estão em processo de transição da certificação por auditoria participativa. Elas produzem hortaliças, frutas, panifícios, sucos, geleias, grãos, extrato e molho de tomate.


O trabalho se dá por meio de duas padarias e três agroindústrias de processamento de produção primária vegetal. Os alimentos são comercializados em feiras orgânicas, mercados tradicionais e via Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Já na certificação por auditoria, que é feita pela IMO e compreende a produção de arroz orgânico do MST, envolve cerca de 400 famílias assentadas da Reforma Agrária.


Logomarca


Na ocasião, foi apresentado aos agricultores a logomarca da certificadora OPAC-Coceargs, que foi produzida pelo Setor Estadual de Certificação com o apoio do designer gráfico Marcos Corbari. A arte estará nas embalagens dos alimentos que são cultivados pelas famílias do MST.