Mesa da Plenária das Mulheres Sem Terra..jpg
Mesa da Plenária das Mulheres Sem Terra.

 

Por Coletivo de Comunicação do MST na Bahia
Da Página do MST


No último dia 14, foi realizada a 1º Plenária das Mulheres Sem Terra, no município de São Sebastião do Passé, no recôncavo baiano.


A plenária abriu a Jornada Nacional de Luta das Mulheres Sem Terra na região e contou com a participação de trabalhadoras assentadas e acampadas, mais a presença de lideranças femininas com atuação no poder público e organizações sociais, como Lucinéia Durães, do MST, Fabya Reis, da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), Renata Rossi, da Coordenação de Desenvolvimento Agrário (CDA), Brena Pinto e Danielle Ferreira, ambas do Partido dos Trabalhadores (PT).


Além da participação feminina, a plenária contou com a presença do deputado federal Valmir Assunção (PT-BA), da militância Sem Terra e do Levante Popular da Juventude.


Com o objetivo de construir parcerias na luta, o evento debateu o processo de organização e participação das mulheres na política. Nesse sentido, Fabya Reis, falou dos desafios e da importância da relação do projeto político defendido pelo MST com a sociedade.


“A Reforma Agrária Popular é mais um instrumento que legitima as mulheres nos espaços de poder, pois a ideologia do machismo e do racismo nos oprimem e submetem as mulheres negras a diversas situações de desigualdade”, explicou.


Para ela, o coletivo das mulheres do MST é um espaço onde se reafirma a decisão de estar à frente das ocupações, nas marchas e de todas as lutas do mês de março.


Por outro lado, Renata Rossi fez um balanço das lutas realizadas até então e destacou que no 8 de março as mulheres tomaram a frente e chamou atenção para o momento político atual. “A denúncia aos retrocessos e medidas golpistas do governo Temer precisam ser fortalecidas e a luta das Sem Terra apontou isso”, comentou Rossi.


Contra o latifúndio
 

Outra questão, que merece ser enfatizada, foi o processo de luta direta contra o latifúndio e o agronegócio. Lucinéia Durães disse que logo no início do mês de março, as mulheres têm colocado em prática um dos objetivos centrais da organização: lutar pela terra.


“Quero destacar a ocupação em Valença [no baixo sul da Bahia], no dia 8, que homenageou a companheira Rosimeire São Pedro, falecida recentemente. Assim como Rosimeire discutia a participação e empoderamento, nós temos que discutir igualdade, para que tenhamos condições de construir uma sociedade mais justa para todos. Essa tarefa é dos homens e das mulheres do MST”, pontuou Durães.