IMG-20180305-WA0097 (1).jpg
Plantação de urucum no pré-assentamento Anita Garibaldi

 

Por Coletivo de Comunicação do MST na Bahia
Da Página do MST


O urucum, fruto do urucuzeiro, é uma planta nativa das regiões tropicais do mundo e tem ganhado destaque na produção de famílias assentadas e acampadas no extremo sul da Bahia.


No pré-assentamento Anita Garibaldi, localizado no município de Teixeira de Freitas, a produtividade tem garantido a permanência das famílias no campo e na luta pela terra, explica o produtor Lourenço Nordestino.


Lourenço relata também que plantou 700 pés de urucum em seu lote e hoje produz duas safras ao ano. Segundo o setor de produção do MST na região, essa iniciativa estimula o cultivo nos demais assentamentos e acampamentos.


Na comunidade, o urucum é usado como matéria-prima para produção de corante natural, dando as cores amarelada ou avermelhada ao alimento. Além disso, possui ação benéfica para o fígado e estômago e tem propriedades emoliente, cicatrizante e ação anti-inflamatória.


Não aos corantes sintéticos


“Hoje, temos a necessidade de se produzir urucum não só no Brasil, mas no mundo”. Essa foi a orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS), divulgada em março de 2011, que limita o uso dos corantes sintéticos, principalmente nos alimentos, devido a sua ação cancerígena.


Nesse sentido, a OMS afirma que o urucum é um corante que traz benefícios à saúde. Pesquisas recentes indicam que suas sementes reduzem em até 94% o colesterol ruim (HDL), através do consumo do produto em forma de chá, o “chá de urucum”.

Lourenço Nordestino é produtor de urucum.jpg
Lourenço Nordestino é produtor de urucum


Uso indígena


As tribos indígenas brasileiras trituram as sementes do urucum e as transformam em um pigmento muito utilizado como protetor do sol e do veneno da mandioca brava. É usado também como repelente contra insetos e até como tintura vermelha definitiva para a pele, pois penetra nos poros.


Viveiros


Além do Anita Garibaldi, outras áreas do MST estão em processo de construção de viveiros, com a participação da juventude e das mulheres. Um dos objetivos é fortalecer a comercialização.


No assentamento Bela Manhã, também em Teixeira de Freitas, já começou a construção dos viveiros. A jovem Clara Andrade, filha de assentados, acredita que a iniciativa tem incentivado o protagonismo da juventude Sem Terra na produção de alimentos e na geração de renda.

 

* Editado por Maura Silva