WhatsApp Image 2017-11-29 at 11.48.54.jpeg

 

Da Página do MST

 

Mulheres de diversas regiões do estado da Paraíba se reuniram na capital, João Pessoa, para protestar contra a violência de gênero. As trabalhadoras do campo e da cidade ocuparam a sede do Ministério Público para exigir que os casos de assassinatos de mulheres, produto da violência machista sejam tipificados como feminicídio. Elas denunciam que a maioria desses crimes são considerados crimes comuns. 


Em nota, as mulheres destacaram que o feminicídio ocupa a 5ª posição no número de assassinatos no Brasil, segundo o Mapa da Violência. A capital paraibana é a 3ª capital com maior quantidade de crimes desse tipo. 


As manifestantes exigem ser recebidas em audiência pelo Procurador-Geral, a quem pretendem entregar uma carta de reivindicações. 


Leia abaixo a íntegra da nota pública:


Exigimos que os casos de violência contra a mulher sejam tipificados em seus referidos processos como feminicídio. Grande número de casos são tratados como crimes comuns.


Vivemos num estado com alto índice de feminicídio,  ocupa a 5° posição no mapa da violência. A capital João Pessoa é a terceira capital que mais assassina mulheres no Brasil.


Esse ano na Paraíba os casos de estupros tiveram aumento de 30%, tendo ocorrido mais de 500 estupros de mulheres e meninas em nosso estado.


Exigimos dos órgãos públicos seriedade e medidas emergenciais de combate a esse quadro. Ser mulher e morar na Paraíba e em João Pessoa é extremamente arriscado.


É pela vida das mulheres que as mulheres ocupam neste momento o Ministério Público e exige audiência com o Procurador Geral para entrega das revindicações. E exige também uma audiência conjunta com o poder executivo e legislativo para tratar da pauta da violência em nosso estado.

 

*Editado por Leonardo Fernandes