024edcb4-fc0c-4150-9f5a-64013bd2b601 1.jpg

 

Por Coletivo de Comunicação do MST na Bahia
Da Página do MST

 

Com apenas dois anos de emissão de posse, o Assentamento Candelária, localizado em Wenceslau Guimarães, no Baixo Sul da Bahia, definiu coletivamente pela construção de uma Biblioteca Comunitária.


Em parceria com a Universidade Federal da Bahia (UFBA), através da Pró Reitoria de Extensão (PROEXT), as famílias assentadas deram início a um grande mutirão na segunda-feira (11) para construir a estrutura física. Para o MST, o espaço é considerado um instrumento de estudo, formação e capacitação dos trabalhadores Sem Terra.


Paralelo a isso, os estudantes da UFBA realizaram uma campanha de arrecadação de livros, filmes e ajudaram na organização do material e decoração do espaço.


De acordo Antônio Marcos, da Direção Estadual do MST e morador do assentamento, é importante ressaltar a consciência das famílias, que mesmo diante de tantas demandas, dificuldades e necessidades, entenderam a importância do acesso à cultura letrada.

 

6c59614a-3bf1-454b-94ce-b5349a5dc4f0.jpg

“Com a parceria, findaremos o ano de 2017 com três Bibliotecas Comunitárias instaladas e funcionando no Baixo Sul e mais uma Biblioteca Escolar na Escola Técnica em Agroecologia Luana Carvalho”, explica Marcos.


Nessa primeira fase, a biblioteca recebe, majoritariamente, os Sem Terrinha da comunidade, e por isso, o espaço foi decorado especialmente para esse público.
 

Inicialmente, pretende-se construir mais espaços de leitura nos Assentamentos Limoeiro e Manjerona, localizados no município de Igrapiúna, na mesma região. A iniciativa faz parte do Projeto de Extensão Universitária “ACC’s: Promoção da Saúde e Qualidade de Vida”, que é coordenado pela professora Maria Constantina Caputo.

 

*Editado por Leonardo Fernandes