Foto Catiana de Medeiros -3.jpg

 

Por Catiana de Medeiros
Da Página do MST


Integrantes da Frente Brasil Popular no Rio Grande do Sul entregam nesta quarta-feira (13), na região metropolitana de Porto Alegre, 50 mil exemplares de uma edição especial do jornal impresso Brasil de Fato que trata sobre a conjuntura política estadual, nacional e internacional. A ação fez parte das atividades previstas na capital gaúcha no dia em o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é interrogado pelo juiz Sérgio Moro na sede da Justiça Federal em Curitiba, no Paraná.


Os jornais começaram a ser distribuídos ainda pela manhã em vários pontos de Porto Alegre onde há intensa circulação de pedestres: Mercado Público, Praça Parobé, Esquina Democrática, Avenida Borges de Medeiros, Parque da Redenção, Praça da Alfândega, Terminal Rodoviário e Estação do Trensurb. Também teve entrega em Novo Hamburgo, São Leopoldo e Canoas. Segundo Danieli Cazarotto, militante da Frente Brasil Popular, o intuito é informar à população o que está acontecendo no país.

 

Foto Catiana de Medeiros -4.jpg
Fotos: Catiana de Medeiros

“Os problemas que existem hoje na sociedade são remetidos ao Lula e à esquerda, que sofrem uma perseguição histórica e ferrenha dos setores mais conservadores, inclusive por parte do poder judiciário. O material vem justamente para contrapor esta realidade distorcida e apresentar saídas ao povo, que é quem mais sofre neste contexto”, explica Danieli.


Em 12 páginas, a edição especial do Brasil de Fato traz uma entrevista exclusiva com Lula e reportagens sobre a situação do país na consolidação do golpe que colocou Michel Temer (PMDB) na presidência da República. Com texto intitulado “Um ano de retrocessos”, o material apresenta resultados da gestão do atual governo, como o desmonte de políticas e cortes de investimentos na Educação, Economia, Saúde e Agricultura Familiar.


A publicação traz ainda “as piores medidas e consequências” do governador gaúcho José Ivo Sartori, também do PMDB. Entre elas está o parcelamento de salários do funcionalismo público, a privatização e extinção de seis fundações públicas estaduais e aumento da taxa de homicídios dolosos em 62%. Além disto, explica para aos leitores as origens da crise na Venezuela.

 

*Editado por Leonardo Fernandes