Por Comissão Pastoral da Terra
Imagem: Thomas Bauer/CPT Bahia

 


Na última quarta-feira, (12) foi realizado em São Luís, no Maranhã, o lançamento da 1º Romaria Nacional do Cerrado, que acontece de 29 a 30 de setembro, em Balsas, sul do estado.


Antes da Romaria será realizado o Encontro de culturas, realidades, e resistências dos povos e comunidades do Cerrado, entre os dias 27 e 29 de setembro.


Para Dom Enemésio Lazzaris, bispo de Balsas e presidente da Comissão Pastoral da Terra (CPT), a Romaria será um importante espaço de reflexão sobre a rica biodiversidade do Cerrado e as comunidades tradicionais. “Além disso, a romaria é uma forma de dar continuidade à Campanha da Fraternidade, que neste ano nos ajudou a entender melhor a importância dos seis biomas que compõem o território brasileiro e a nos comprometer ainda mais com o cuidado da criação", ressalta o bispo.


O tema da primeira edição da Romaria Nacional do Cerrado será: “Cerrado: os povos gritam por água e território livres”, relembrando a luta do povo pelos dois elementos fundamentais para a vida: a água e o território.


E o lema do evento é “Bendita és tu, ó Mãe Água, que nasces e corres no coração do Cerrado, alimentando a vida”. A água é presença central nesta Romaria, assim como os povos e as comunidades do Cerrado, pois o bioma é responsável por alimentar grandes rios e bacias hidrográficas do nosso país. E os povos e comunidades são os verdadeiros guardiões "dessa nossa casa comum".


Um dos responsáveis locais pela organização da Romaria, Antônio Gomes explica que muitos fatores têm motivado a realização do evento neste local. “Balsas é um município que fica no coração do Cerrado maranhense e tem toda a sua biodiversidade ameaçada, encurralada pelo agronegócio. Os córregos, as nascentes e os rios agonizando pela ação do agro-hidro-negócio”. Ele ressalta ainda, que a atividade será um momento de reflexão sobre os modelos de produção implantados no Cerrado, principalmente em Balsas.


Campanha

Na oportunidade, também será lançada a Campanha Nacional em Defesa do Cerrado, promovida por 50 organizações, pastorais, e movimentos sociais. “Defender o Cerrado é preservar as águas, é preservar a vida e todos e todas são responsáveis por isso”, destaca agente da CPT, Isolete Wichinieski.


Organização

A Romaria é organizada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) Regional Nordeste 5, CPT, Diocese de Balsas, Pastorais Sociais, Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras do Estado do Maranhão (Fetaema), Cáritas, Fórum Carajás, SPM, Pastoral da Juventude (PJ), CPP, MPP, Moquibom, TEIA-MA, MIQCB e demais parceiros.

 

 

*Editado por Solange Engelmann