2f9eabbf-2dfd-47f3-9925-4487b2587c23.jpg

 

Por Coletivo de Comunicação do MST na Bahia
Da Página do MST

 

Com o tema “Educação do campo e agroecologia para transformação social”, o MST realizou entre os dias 30 de junho e 1 de julho, no Centro Educacional Professor Rômulo Galvão (CEPROG), em Teixeira de Freitas, o Encontro de Educadores e Educadoras da Reforma Agrária das brigadas Olga Benário e Nelson Mandela.


O encontro contou com a participação de 110 profissionais da educação que atuam em assentamentos e acampamentos do MST para estudar a história do movimento, os princípios da educação do campo e debater agroecologia como instrumento de transformação.


Para Eliane Kay, do Coletivo Regional de Educação, o encontro foi um espaço de amadurecimento do debate da educação do campo e da agroecologia, principalmente nesta conjuntura, quando diversos desafios estão sendo apontados para classe trabalhadora. “Nossa educação precisa ser transformadora. Ela precisa massificar a luta e garantir que a nossas bandeiras históricas da educação, cultura, saúde, moradia digna, estejam na ordem do dia”.


“Precisamos debruçarmos sobre as tarefas da educação, na superação do analfabetismo e na elevação da escolaridade e na formação da consciência”, completou Kay.


Nesse sentido, foi possível aprofundar o debate na Educação de Jovens e Adultos (EJA) e, principalmente, no campo da garantia da educação infantil na idade certa.


O encontro contou com rodas de conversas e socialização das experiências agroecologia que acontecem nas escolas das brigadas, através de cordel, banner e exposição de fotos.


Luciane Moreira, educadora da Brigada Nelson Mandela, disse que foi muito gratificante participar de espaço pois teve a oportunidade de compartilhar as experiências e vivenciar outras.


A Coordenação do Setor de Educação na região destacou que as atividades são um preparativo para o Encontro Regional de Educadores e Educadoras, que pretende ser um espaço de planejamento para o próximo semestre, com foco nas comemorações dos 30 anos do MST na Bahia.

 

*Editado por Leonardo Fernandes