unnamed (2).jpg

 

Por Leonardo Fernandes
Da Página do MST


O desenvolvimento dos assentamentos da Reforma Agrária é parte da luta cotidiana do MST em todas as regiões do Brasil. A dificuldade de acesso à programas de saúde, educação, transporte, habitação, entre outros direitos constitucionais, representa um dos maiores obstáculos impostos pelo estado ao desenvolvimento das populações rurais do país.


Essa realidade tem consequências diretas para a saúde mental dos camponeses e camponesas do Brasil em especial, dos assentados e assentadas da Reforma Agrária.


Esse é o tema do livro 'Condições de vida e saúde mental em contextos rurais', uma iniciativa de docentes do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e da Universidade Federal do Piauí.


Segundo a professora Magda Dimenstein, uma das pesquisadoras envolvidas, a iniciativa respondeu a uma grave escassez “de investigações voltadas ao estudo das condições de vida e saúde mental das populações rurais, especificamente no que diz respeito à incidência de Transtornos Mentais Comuns (TMC) e ao padrão de uso de álcool.


Quando trata-se de moradores de assentamentos de Reforma Agrária a desinformação é ainda mais evidente”, completou.


A professora explica que o livro é resultado de uma ampla pesquisa, desenvolvida junto aos moradores de assentamentos rurais nos estados do Rio Grande do Norte e Piauí. Para tanto, foram mapeadas 1.106 famílias, que totalizam 4.093 indivíduos dos dois estados. 67 profissionais de saúde e assistência social também participaram da investigação.


“Na tentativa de contribuir para a ampliação do acesso aos cuidados primários em saúde para as populações moradoras no campo e atender às necessidades de atenção à saúde destas populações, desenvolvemos a pesquisa 'Condições de vida e saúde mental em assentamentos rurais no nordeste brasileiro: diagnóstico, estratégias de cuidado e suporte na rede de atenção primária e psicossocial', com o intuito de compreender os processos sociais e subjetivos que constituem e caracterizam a vida nos assentamentos rurais e sua relação com o processo saúde-doença-cuidado”, explicou Dimenstein.


O livro está organizado em sete eixos de discussão: Reforma Agrária e Condições de Vida em Assentamentos Rurais; Determinação Social da Saúde e da Vida; Pesquisa em Contextos Rurais; Processos de Subjetivação em Contextos de Pobreza; Saúde Mental, Gênero e Vida no Campo; Fatores Associados ao Uso de Álcool em Assentamentos Rurais; e Ordenamento da Oferta de Cuidados Psicossociais no Meio Rural.


Ainda segundo Dimenstein, a publicação pretende contribuir com a “produção de conhecimento científico em um campo interdisciplinar que articula psicologia, saúde coletiva, geografia, políticas públicas e estudos de gênero, na problematização das políticas públicas voltadas às populações do campo e da floresta, o empoderamento dos movimentos sociais rurais, além da qualificação das equipes de saúde e assistência social, responsáveis pelos cuidados primários em saúde mental em contextos rurais”.


Para ela, os resultados apresentados no livro podem “gerar conhecimento com potencial de ampliar a acessibilidade da população assentada às políticas públicas de saúde e assistência social, assim como contribuir no planejamento de ações por parte das equipes de saúde mental e atenção primária, condizentes com as necessidades e características dessa população”.


“Consideramos que tais conhecimentos podem subsidiar ações de intervenção precoce, de superação de práticas cristalizadas, não culturalmente sensíveis e pouco eficazes, que se devem, em parte, à falta de capacitação das equipes, à dinâmica institucional, à organização do trabalho e falta de articulação em rede dos serviços de saúde e assistência social. Além disso, têm o potencial de estreitar a colaboração entre universidades, Secretarias de Saúde dos Municípios e dos Estados, Associações de Assentados Rurais, MST, CPT e o INCRA”, finalizou..


O livro 'Condições de vida e saúde mental em contextos rurais' está disponível nas livrarias de todo o Brasil. 

 

*Editado por Maura Silva