IMG_9900.JPG

 

Por Coletivo de Comunicação do MST na Bahia


Cerca de 500 Mulheres Sem Terra saíram em marcha do acampamento montado no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) pelas ruas do Centro Administrativo da Bahia (CAB) e ocuparam, na tarde dessa quinta-feira (9), a Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) e a Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), onde existe uma pauta de reivindicação que há mais de três anos não é atendida.


O desenvolvimento dos assentamentos e investimentos em infraestrutura para produção são os principais pontos de pauta, compreendidos como essenciais para garantir melhorias nas áreas do estado.


Com gritos de ordem, rebeldia e músicas que denunciam a paralisação da Reforma Agrária, a ocupação foi marcada pelo repúdio ao agronegócio e as estruturas de exploração e dominação do capital.


De acordo com Domingas Farias, da direção estadual do MST, as demandas em torno da Reforma Agrária estão acumuladas e quase nada tem andado, “isso é um descaso”.


“Nossa tarefa é marchar, ocupar e reivindicar com rebeldia e força os nossos direitos. E nós [Mulheres Sem Terra], que estamos em Jornada de Lutas em todo Brasil, não podemos retroceder”, afirmou Farias.

IMG_9943.JPG


Formação e luta 


Enquanto a pauta estava sendo negociada com uma comissão representativa das Mulheres Sem Terra, as demais seguiam mobilizadas nos órgãos participando de duas oficinas de formação. Uma sobre a “Saúde da Mulher” e outra sobre os “Impactos da Reforma da Previdência na vida das Trabalhadoras do Campo e da Cidade”.


Com a contribuição do Grupo de Pesquisa GeografAR, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), as oficinas cumpriram o papel de intensificar os debates e fortalecer a luta das mulheres contra os retrocessos do Governo Temer.

IMG_9887.JPG


Desdobramento


Durante o processo de negociação, poucos pontos de pauta foram acordados e outras reuniões precisam ser realizadas para dar encaminhamento a alguns desdobramentos. Nesse sentido, a direção do MST disse que vai ser necessário continuar com as mobilizações e lutas no estado.