31404298022_d8253f973a_o.jpg

 

Por Coletivo de Comunicação do MST na Bahia
Fotos: Manu Dias/GOV-BA


Em Ponto Novo, município localizado no norte da Bahia, o governador do estado, Rui Costa (PT), assinou neste último sábado (10) uma ordem de serviço que autoriza a implantação de projetos de irrigação, piscicultura e a construção de uma agro indústria no Pré Assentamento Nelson Mandela.


A ordem de serviço cumpre o objetivo de viabilizar a ampliação da produção em uma região onde mais 150 mil baianos residem, garantindo o acesso dos cidadãos a equipamentos de tecnologia francesa para estruturar a barragem local, aumentando a capacidade de reserva em 24%.


No ato de assinatura, estiveram presentes, além dos moradores e moradoras de Ponto Novo, representantes políticos e lideranças de Movimentos e Organizações Sociais, como o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e o MST.


Bahia Produtiva


As iniciativas fazem parte do programa “Bahia Produtiva” que é uma ação do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Rural, voltada para financiar projetos de inclusão produtiva e acesso ao mercado, socioambientais, de abastecimento de água e esgotamento sanitário, atendendo o interesse das comunidades mais pobres nos 27 Territórios de Identidade do Estado.


Segundo dados do governo, estão sendo investidos desde 2015, ao longo de 5 anos, US$ 260 milhões. Em Ponto Novo, por exemplo, serão beneficiados 35 apicultores, 15 destes inseridos agora na cadeia produtiva.


As famílias do pré-assentamento estão a um ano e sete meses cultivando hortaliças e legumes para comercialização, além dos produtos dos quintais produtivos, que a algum tem garantido o sustento dos assentados e assentadas.


Conquista coletiva


A área está localizada ao lado de um acampamento do MPA, onde 30 famílias também se beneficiarão com a implantação da ordem de serviço. Para o MST, a unificação da luta agora é fundamental.


Pensando nisto, Socorro Varela, da direção estadual do MST, destacou que através da unidade as conquistas avançam e isso dá fôlego para as lutas permanecerem acontecendo. “Podemos ver no semblante dos acampados e assentados o entusiasmo em ver que o processo de conquista da terra está em andamento”.