Por Maisa Lima
Da Página do MST


Cerca de 700 pessoas participaram, nesta terça-feira (18), da vigília pela libertação dos presos políticos do MST em Goiás.


A mobilização alcançou, além de Goiânia, as cidades de Rio Verde, Jataí, Crixás, Mozarlândia, Formosa, Goiás, Catalão e Ipameri, com o importante apoio de organizações como o Movimento Camponês Popular (MCP), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e outras entidades associadas ao Comitê Goiano de Direitos Humanos Dom Tomás Balduíno.


A vigília se deu em torno da expectativa do julgamento, pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ), do habeas corpus dos presos políticos militantes da Reforma Agrária: Valdir Misnerovicz e Luiz Batista Borges - encarcerados há quase seis meses - e Natalino de Jesus e Diessyka Lorena, exilados.


Ao final, o STJ definiu por unanimidade conceder habeas corpus para Valdir. Os ministros avaliaram que não há justificativa técnico-jurídica para a manutenção da prisão durante o trâmite do processo e rejeitaram o enquadramento de movimentos populares na lei de organização criminosa, uma vitória importantíssima.


Confira aqui a nota do MST 


O MST mantém a continuidade da luta pela libertação dos presos políticos Luiz Batista e Lázaro Pereira, que seguem encarcerados. Não iremos esmorecer enquanto não conquistarmos a liberdade para todos os presos políticos da Reforma Agrária. 


Saiba mais sobre a Campanha Nacional e  Internacional de Liberdade dos presos da Reforma Agrária do estado de Goiás


*Editado por Iris Pacheco