Da Página do MST


O MST como Movimento Social autônomo vem a público informar que as publicações feitas nos últimos dias em diversos sites de notícias do estado referente à autoria do Movimento em relação a diversos conflitos agrários que acontecem em Mirante da Serra, Ouro Preto e Seringueiras não são verdadeiras, porém o MST respeita todas as famílias que se organizam para fazer a luta pela a terra.


O Movimento insiste que o conflito no campo só se resolverá com uma ampla Reforma agrária e com a participação popular. Lutar por Reforma agrária e por melhores condições de vida campo é um direito recepcionado e reconhecido pelo nosso ordenamento jurídico, com a instituição da lei 10.469/2002.


Nos últimos meses, os meios de comunicações, em especial sites e jornais, estampam com frequência os conflitos agrários, abordando sempre o conflito dos Sem Terras, ora com a polícia, ora com fazendeiros/pistoleiros, mas sempre atribui aos Sem Terra a responsabilidade da causa e do efeito. Alertarmos ainda que, os motivos e a inércia do poder público em dar respostas que não sejam as de criminalizar as famílias envolvidas nestes conflitos tende a se agravar.


Rondônia é um estado cobiçado por diversos seguimentos comerciais ligados a exploração de madeira, de minérios, dos rios para a venda de energia e água, do solo para a produção de monocultivo (gado, soja, arroz), tudo isto com meros interesses econômicos, que não visam o bem estar da população. Desse modo, toda a população do campo e da cidade sido colocada em uma situação de risco e vulnerabilidade, com a exposição dos indígenas, dos quilombolas, dos extrativistas, dos camponeses, dos atingidos por barragens e dos sem terras, que muitas vezes são vistos como empecilhos para o avanço de tais interesses, colocando mães e pais de famílias em destaques nas páginas policiais.


Mesmo com esta complexidade de Rondônia e do Brasil, fruto da colonização e do coronelismo que anda na contramão da sociedade desenvolvida (diversos países dividiram a terra e os recursos naturais para tanto), nada tem sido feito pelas autoridades para alterar essa realidade. Enquanto houver concentração da terra, mercantilização dos recursos naturais e a má distribuição da riqueza em nossa sociedade, os conflitos agrários e os demais conflitos sociais continuarão a ser uma realidade em nosso estado e em nosso país.


Lutar, Construir Reforma Agrária Popular!


Coordenação Estadual do MST em Rondônia