2.JPG

 

Por Coletivo de Comunicação do MST na Bahia


Entre os dias 27 e 29 de julho, cerca de 35 educadores e educadoras do campo, pertencente ao coletivo de educação do estado da Bahia, realizaram um amplo espaço de formação e planejamento na Escola Popular de Agroecologia e Agrofloresta Egídio Brunetto, localizada no Prado, Extremo Sul da Bahia.


A atividade discutiu a construção da educação do campo como instrumento de fortalecimento da identidade camponesa e apontou os desafios encontrados no seu processo de construção.


Para isso, os educadores debateram e analisaram o atual cenário político e a realidade da educação do campo nas áreas da Reforma Agrária. Além disso, aprofundaram os estudos sobre a agroecologia e a educação do campo como instrumentos de fortalecimento da identidade camponesa.


Zena Figueiredo, do setor de educação do MST, falou da importância da educação do campo na construção da agroecologia e denunciou o projeto “Escola Sem Partido” como mais uma articulação da classe dominante contra a classe trabalhadora. "Temos muitos desafios a superar diante da atual conjuntura, sendo o principal deles esse projeto que vai contra a proposta de educação do campo que defendemos".


“O objetivo do projeto ‘Escola Sem Partido’ é de silenciar a classe trabalhadora e impedir o desenvolvimento da diversidade cultural. Vem como um contraponto a tudo que foi construído até hoje no processo de liberdade de expressão e de cultura dentro das escolas", denunciou Figueiredo.

5.JPG


Nesse sentido, os educadores afirmaram que as escolas do campo são fruto das lutas dos Movimentos Sociais Populares que historicamente resistem as diversas formas e táticas de domínio do capital.


Para Eles, o capital quer se apropriar totalmente das escolas e com isso impor práticas pedagógicas e programas de educação elaborados e aplicados por empresas privadas do agronegócio e patronato Rural.


Pensando nisso, reafirmaram a construção de uma escola do campo que traz em seu germe o grito dos povos excluídos e que a escola seja capaz de valorizar os conhecimentos que contribuam numa nova forma de vida, baseado na justiça social.