photo959441388816148443.jpg
 

Por Catiana de Medeiros
Do Saúde Popular


O acúmulo de experiências do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na produção de fitoterápicos e fitocosméticos também contempla a população de Minas Gerais no Festival Nacional de Arte e Cultura da Reforma Agrária, que acontece até o final da tarde deste domingo (24), na Serraria Souza Pinto, no Centro de Belo Horizonte (MG). 


Nas bancas da feira é possível encontrar o cuidado em saúde por meio de uma diversidade de produtos que foram feitos pelas mãos de assentados e assentadas de várias estados do país.


Um exemplo disto é o coletivo de saúde do MST do Rio de Janeiro. Formado por um grupo de 10 amigos e militantes Sem Terra, ele mostra na feira que é possível inovar e oferecer por meio de diferentes composições e consistências os benefícios das plantas medicinais. 


O casal Josué da Silva de Oliveira (52) e Julia Farias (55), do Assentamento Roseli Nunes, no município de Piraí, e Luiza Maria da Silva (67), da Pastoral da Saúde, produzem fitocosméticos há mais de nove anos. 


Eles trouxeram a Belo Horizonte cremes para tirar manchas da pele e tratar rachaduras nos pés, gel de barbear, óleos de massagens, repelente, xampu, condicionador e creme de pentear de jaborandi, multiervas e linhaça, além de gel para pancadas e dores articulares, que é considerado o carro-chefe do coletivo. Julia garante: “todos os produtos têm plantas medicinais analgésicas e anti-inflamatórias que só fazem bem à saúde”.


Essa experiência se tornou possível graças a um curso realizado por dona Luiza, que trabalha há 25 anos com fitoterápicos e há quase uma década com o coletivo na produção de fitocosméticos. Ela conta que o grande sonho do coletivo é achar a fórmula ideal para tratar estrias e celulite através das ervas medicinais. “Queremos inovar ainda mais e continuar contribuindo para o bem-estar das pessoas. Nós conseguimos resolver muitos problemas de saúde através da coletividade e experimentos que fizemos em nós mesmos. Isso é muito gratificante”, diz.


Os produtos do coletivo fazem sucesso: ao visitar a feira, o mineiro Conrado de Oliveira (30) logo se deparou com a banca carioca e já separou um xampu de jaborandi para a sua mãe Alzira. 


Ele conta que sempre acompanha exposições do Movimento e adquire itens para presentear seus amigos e familiares. Mas, com essa iniciativa, ele revela que seu intuito principal é contribuir para o fim do preconceito contra os trabalhadores e trabalhadoras Sem Terra. 


“Essa foi a maneira que encontrei para desconstruir atitudes preconceituosas contra o MST. Muitas vezes elas ocorrem porque as pessoas não conhecerem de verdade o Movimento. Eu sempre levo produtos com base em ervas medicinais para a minha mãe. Ela adora e eu também”, relata.


A maioria das ervas que compõem os produtos tem origem no lote onde estão assentados, há cinco anos, Luiza e Josué. Lá, pelo menos 15 dos 22 hectares são de área preservada, com biodiversidade da mata atlântica. 


Segundo eles, a experiência do casal em fitocosméticos começou ainda na época em que estavam acampados. “Onde moramos tem quase tudo que precisamos para produzir de forma saudável, sem prejudicar a natureza. Aprendemos a cuidar da saúde e hoje os fitocosméticos são nossa principal alternativa para tratar doenças e fonte de renda”, relata Josué.

photo959441388816148444.jpg

32 anos de experiências


Conforme a agricultora Marlene da Rocha (45), militante da área de saúde e moradora do Assentamento Egídio Brunetto, localizado no município de Campanário, no Vale do Rio Doce (MG), a utilização de plantas medicinais para cuidar da saúde é realidade no MST desde a origem do Movimento. 


“Há mais de três décadas buscamos esse tipo de conhecimento para cuidar melhor do nosso povo e manter vivos nossos saberes camponeses. As ervas medicinais sempre foram poderosas aliadas da saúde popular, por isso precisamos continuar valorizando e preservando esse bem natural em nossos assentamentos”, comentou.