Por Fábio Reis
Da Página do MST


A III Jornada Universitária, em Santa Catarina, foi realizada pela Universidade Federal (UFSC) e Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), por meio de programas das duas instituições e o MST. 


O primeiro debate foi mediado pelo professor Claus Germer, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que avaliou o processo de reforma agrária no momento atual, fazendo importante link sobre o que se teve até aqui e os desafios do momento, fazendo reflexões sobre temas como agroecologia, cooperativismo e reforma agrária popular. Os estudantes também assistiram à peça “A força da justiça burguesa”, na Praça da Cidadania da UFSC.


Outro debate abordou a reforma agrária e os 20 anos do massacre de Eldorado dos Carajás. Também houve um ato em comemoração aos 18 anos do Projeto de Educação e Capacitação de Jovens e Adultos nas Áreas de Reforma Agrária (PRONERA), que mesmo com limitações, tem permitido acesso historicamente negado à educação aos povos do campo.


Para Malu, representante do Incra presente na Jornada, a questão da terra é um problema estruturante da sociedade capitalista, portanto, falar sobre ela parte necessariamente da discussão sobre sua posse cada vez mas concentrada, principalmente por conta do avanço do agronegócio no Brasil.


Os estudantes também participaram de ato em frente ao prédio da Previdência Social, em apoio à jornada de luta do MST em Florianópolis: Luta Contra a Reforma da Previdência.


A jornada foi encerrada no Cine PET, (Programa de Educação Tutorial), do serviço social da UFSC, com debate sobre a violência contra mulher e exploração sexual infantil.