Da Página do MST 

 

Dando continuidade à Jornada Nacional pela Reforma Agrária e em Defesa da Democracia, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realiza marchas em diversos estados para lembrar a impunidade por 20 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás e para dar um recado claro à elite golpista: “Já está tendo luta!”. O Movimento está acampado em Salvador e realizou também ocupações de terra, na região Sul.


Após quilômetros de caminhada, os Sem Terra chegam em marcha às capitais Belo Horizonte, João Pessoa, Natal e Cuiabá. Em Pernambuco, também foram realizados bloqueios em oito pontos na Grande Recife e na BR-232, em Caruaru. Na capital mineira mais dois mil camponeses do MST se somaram à Marcha pela Democracia que chega hoje a Belo Horizonte e subiu o morro de Vera Cruz.


“Tem grande simbologia para nós a chegada dessa marcha a Belo Horizonte, principalmente o ato que realizamos esta manhã no morro, dialogando com a população da periferia para descermos juntos em unidade contra o golpe”, afirma Esther Hoffman, da direção nacional do MST. A militante explica que a democracia que os movimentos populares defendem não se limita à participação em eleições a cada quatro anos.


“Estamos numa jornada nacional em defesa da reforma agrária e nesta luta defendemos a democracia”, declara. E continua: “até mesmo pelo entendimento de que democracia não é só voto, não existe democracia sem as reformas de base necessárias, agrária, da saúde, da educação, reforma urbana. Democracia não é só a cada quatro anos, mas lutar hoje e consolidar as demandas que atendam realmente à população.”


Em Salvador, mais de quatro mil Sem Terra estão desde 16/04 em um acampamento permanente defendendo a democracia e já realizaram diversas mobilizações, como ocupações da governadoria da BA e atos culturais. Em Alagoas, uma coluna com 1500 homens e mulheres se desloca em direção a Maceió, por 80 quilômetros de caminhada, partindo de União dos Palmares.


Na manhã desta terça-feira, também em alusão à memória dos 20 anos de impunidade do Massacre de Eldorado dos Carajás, 350 famílias realizaram a ocupação da fazenda Tio Faustino, no município de Eldorado do Sul, no Rio Grande do Sul.

A Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária e em Defesa da Democracia segue mobilizando mais de 8700 manifestantes em todo país, com apoio da Frente Brasil Popular.


Confira as ações dessa terça-feira (26)

 

Minas Gerais 

13102714_1106974892708557_8382849418244183562_n.jpg
Minas Gerais 

 

Mais de três mil Sem Terra marcham desde o dia (21), de Ouro Preto em direção a Belo Horizonte. Hoje, na chegada à capital, mais 2 mil manifestantes se somaram a mobilização para subir o morro de Vera Cruz e dialogar diretamente com a população da periferia chamando à unidade para combater o Golpe. Um ato está marcado para às 17h na praça da Liberdade, Centro de Belo Horizonte.

 


Paraíba


Após, dez dias de caminhada por 135 quilômetros, uma coluna com mais de 400 camponeses do MST chegou na manhã de hoje à capital João Pessoa para cobrar a continuidade de negociações em nível estadual e dar claro recado aos que tentam interromper o ciclo democrático no Brasil: “Não vai ter golpe! Já está tendo luta!”. A chegada da V Marcha Estadual do MST da Paraíba reúne movimentos apoiadores em solidariedade à luta pela terra, no Centro da cidade.

 


Mato Grosso


A Marcha por Reforma Agrária, Democracia e contra a Impunidade reúne cerca de 600 manifestantes, que caminham desde a Zona Rural de Cuiabá, na BR 364, cobrando a retomada da Reforma Agrária e a punição dos envolvidos no Massacre de Eldorado dos Carajás, que completa 20 anos este ano. A percepção dos manifestantes é de que casos como este se repetem (como o ocorrido há poucos dias no Paraná) justamente pela morosidade do Estado em realizar a política agrária. Na chegada à Cuiabá nesta terça (26), após 40 km de marcha, acontecem atos na Universidade e no centro da cidade.

 

Pernambuco

13087806_1106940179378695_5851733897469339274_n.jpg
Pernambuco 


Em Pernambuco, dois acampamentos permanentes estão montados contra o golpe institucional-midiático, um em Petrolina (região do Semi Árido) e outro em Recife, reunindo mais de dois mil integrantes. Nesta terça-feira (26), foram realizados trancamentos em oito pontos na Grande Recife e o bloqueio da BR-232, em Caruaru (Agreste do estado), dando um recado direcionado à imprensa golpista, principal instrumento de articulação da desestabilização política e do golpe, segundo os manifestantes.

 


Bahia

_MG_1428.JPG
Bahia 

 

Em Salvador, mais de quatro mil Sem Terra estão acampados permanentemente no Farol da Barra desde o dia 16/04 e realizam diversas manifestações para demonstrar o posicionamento do povo baiano contra a ruptura democrática. Já foram realizadas ocupações de órgãos do governo, marchas, eventos culturais e um ato ecumênico em memória dos 21 assassinados do Massacre de Eldorado de Carajás, após duas décadas de impunidade.


 

Alagoas

5d651a1c-8af8-4887-8fdb-673c85427de5.jpg
Alagoas 


Mais de 1500 Sem Terra partiram na manhã desta segunda-feira (25) da cidade de União dos Palmares, berço da resistência negra do Quilombo dos Palmares, onde realizaram o ato político de abertura da Marcha Estadual em defesa da Reforma Agrária, da Democracia e contra o Golpe. São previstos 80 km de caminhada até a capital Maceió, quando devem chegar na próxima quinta-feira (28), realizando uma série de atividades culturais pelo caminho e na chegada na Universidade Federal de Alagoas (UFAL), onde será lançado o Comitê Estadual da Campanha Permanente Contra o Uso dos Agrotóxicos e Pela Vida.


 

Rio Grande do Sul

58a51e11-1441-4baa-bfde-f32da88decca.jpg
Rio Grande do Sul 


Na manhã desta terça-feira (26), 350 pessoas organizadas no MST ocuparam a fazenda Tio Faustino, no município de Eldorado do Sul, na região Metropolitana de Porto Alegre. A fazenda tem cerca de 600 hectares e sua entrada de acesso fica na Estrada Cruz das Almas - entrada entre os quilômetros 135 e 136 da BR-290. Segundo os Sem Terra, a área está abandonada há mais de oito anos e é totalmente improdutiva. “Reivindicamos que se faça reforma agrária neste local para que as famílias que não têm onde morar e produzir seus alimentos possam ter melhores condições de vida”, explica a dirigente estadual do MST, Aida Teixeira.

 

Rio Grande do Norte 

 

AgFZrfqh8Rqf-9ZHq7qraNBM8OaL3EogKSNgiDhHEf_7.jpg
Rio Grande do Norte 


Cerca de 500 manifestantes realizam a Marcha Potiguar pela Reforma Agrária e em Defesa da Democracia, desde a última segunda-feira (25). Na chegada à capital os marchantes ocuparam a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), pautando a retomada da execução do orçamento do órgão para criação de assentamentos e para o desenvolvimento dos mesmos.