Da Página do MST 

 

Nessa sexta-feira (15), Sem Terra em todo o país estão mobilizados para a Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária.


Neste ano o MST se soma ao conjunto das mobilizações da Frente Brasil Popular contra os ajustes, em defesa da democracia, contra o golpe e pela Reforma Agrária. 


O Movimento também relembra em sua ações o Massacre de Eldorado dos Carajás que em 2016 completa 20 de impunidade. 


"Temos a obrigação de honrar a memória de nossos mártires, os 21 companheiros que tombaram em Eldorado dos Carajás há 20 anos", afirma a direção nacional do MST. 

 

Até o momento foram realizadas 18 ações em diferentes cidades dos país que contaram com a participação de 62 mil Sem Terra. 

Para Kelli Mafort, da coordenação nacional do MST,  lutar por Reforma Agrária é também enfrentar o golpe que está em curso no país. Golpe não somente contra o mandato constitucional da presidente Dilma, mas contra a maioria do povo brasileiro

"O Golpe pode aprofundar a retirada de direitos conquistados historicamente e dar vazão ao processo conservador e fascista contra os pobres, os negros, os indígenas, os Sem Terra, lgbts, a juventude e as mulheres. Por isso, estamos na linha de frente contra esse processo e, ao mesmo tempo, na luta pela terra, por Reforma Agrária, e pela realização de reformas estruturais que  interessam ao povo", afirmou.

 

Veja a entrevista aqui

 


Confira as ações dessa sexta-feira (15)

 

PR


No Paraná, 8100 assentados e acampados da Reforma Agrária, trancaram rodovias estaduais/federais e liberaram pedágios no início da manhã. As ações aconteceram nas regiões de Carambei, Mauá da Serra, Nova Laranjeiras, Cascavel, Curitiba, São Miguel do Iguaçu e Jacarezinho.
 

Ap3ANby-cQbDP1d-peITOmL-pNwxhG1iN6bet_fqVrd6.jpg
Paraná

 


AL

 

Em Alagoas, 20 trechos de rodovias em todo o estado foram paralisados pelo MST juntamente com movimentos do campo que, com bandeiras e palavras de ordem, denunciaram a violência e a impunidade. Do Sertão ao Litoral de Alagoas, mais de cinco mil trabalhadores e trabalhadoras rurais bloquearam trechos da BR 101 nos municípios de Teotônio Vilela, Junqueiro, Atalaia, Flexeiras e Joaquim Gomes, além disso, aconteceram bloqueios nas cidades de  Delmiro Gouveia, Olho d’Água do Casado, Piranhas, Girau do Ponciano, Cajueiro, Novo Lino, União dos Palmares, Murici, Campo Alegre, Maragogi, Matriz do Camaragibe, São Luiz do Quitunde e em Porto Calvo.

 

5d651a1c-8af8-4887-8fdb-673c85427de5.jpg
Alagoas 

 

RS

 
Cerca de duas mil trabalhadores rurais da Via Campesina e da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da região Sul (FETRAF-SUL) realizaram em Porto Alegre uma Marcha da Agricultura Familiar e Camponesa Contra o Golpe, em Defesa da Democracia e dos Direitos da Classe Trabalhadora. Com palavas de ordem “não vai ter golpe, vai ter luta e “Dilma, guerreira, mulher brasileira”, e criticando a grande mídia, os manifestantes mostraram aos motoristas e pedestres seu posicionamento quanto ao golpe em curso no país.
 
AgvfvXFxT7a1TaN2xzx9ryWPDwmAzedxsxYQX9Ysibmp.jpg
Porto Alegre 

 
SP
 
Na capital paulista,  cerca de 150 Sem Terra, organizados pelo MST, bloquearam a Rodovia Anhanhaguera, no Km 313, em Ribeirão Preto. Também aconteceram paralisações na Rodovia Marechal Rondon, em Andradina; e o trevo entre a Francisco Alves Negrão e Salvador Rufino Oliveira Netto, em Itaberá. Também aconteceram mobilizações durante todo o dia na capital puxadas pela Frente Brasil Popular. 
 
AoAEmQgiOLsatykZP-yEOvlAGK9RpIhn7nsDz3Z2fQFE (1).jpg
São Paulo 
 
 
RJ 
 
No Rio de Janeiro, 150 trabalhadores rurais trancaram a Dutra na altura do km 242. Segundo Marcelo Durão, da coordenação estadual no Rio de Janeiro, o ato em Piraí, soma-se às mobilizações nacionais que estão sendo realizadas no dia hoje “em prol da reforma agrária, de que se assentem os acampados há muito tempo nessa situação e também a luta pela democracia, pois no nosso entendimento, não existe base jurídica para o impeachment e o que está sendo feito é um grande golpe”.
 
AkRpvC2HAgPCz2EkKy7tB2tmowQKiGTZ5pgh-i64FsKj.jpg
Rio de Janeiro 


MS
 

No MS as rodovias bloqueadas foram as BR 262, entre Terenos e Anastácio, BR 163, entre Mundo Novo e Eldorado e a BR 267. 

Os Sem Terra protestaram contra os assassinatos no Paraná, contra a decisão do TCU (Tribunal de Contas da União) de paralisar a Reforma Agrária, contra o golpe e em defesa da democracia. 

 
AkQmqewDhpzLQp4Hxj_9xItiuzK8trwzN7_0okKVvKtP.jpg
Mato Grosso do Sul 


MG


Cerca de 1200 Sem Terra bloquearam as BR 050, BR116 na região do Rio Doce, BR 116 em Governador Valarades e BR 153 em Montes Claros. Já na Zona da Mata 100 trabalhadores trancaram a BR 353.


 

AqqkQibk_Sz3OT0WSqnRIQu9Nk3cEgA86vUh3gQguYMe.jpg
Minas Gerais 

 

PI

No Piauí, cerca de 700 Sem Terra trancaram as BRs 316 e 343. Os trabalhadores pautaram a defesa da democracia e a paralisação da Reforma Agrária. 


 

4305b1e0-084e-4c72-9b6d-6d95199bddbc (1).jpg
Piauí

 

PA

 

No Pará que está mobilizado desde o início da semana, 1200 jovens que participam do Acampamento Nacional da Juventude Sem Terra "Oziel Alves Pereira", ocuparam a pista na curva do S, local do Massacre de Eldorados dos Carajás. Os jovens protestaram contra a impunidade no caso que completa 20 anos no próximo dia 17.  

 
AmGwO09MB5n_IbY7yeFWbuYOOpHMB_vA-ZN58BxCZLuY.jpg
Pará


DF


Cerca de 1000 militantes do MST e Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) realizaram protesto em frente à Confederação Nacional da Agricultura (CNA). Símbolo do agronegócio, a CNA é reconhecida por suas inúmeras defesas ao latifúndio e é conivente com a violência no campo. 


"O modelo de agricultura defendido pela CNA é baseado no uso de venenos, que contamina a nossa alimentação. Incentiva a agricultura voltada para commodities, que não alimenta o povo brasileiro e ainda trabalha contra várias políticas de reforma agrária, através da sua atuação por lobby", explica Atiliana Brunetto, integrante da coordenação nacional do MST.


 

AgYq4yb7_Vl6DskTgsWKJnZy4NRJei-0cN_fygpGF_fc.jpg
Distrito Federal 

 

MT

Na capital, Cuiabá, cerca de 50 trabalhadores Sem Terra fizeram ato simbólico, na Praça da República, onde há uma estátua da Justiça, pisando em pessoas. 


Em Tangará da Serra, 250 Sem Terra fazem caminhada pelo município, levantando as bandeiras da Jornada de lutas desse ano que relembra Carajás, pede a retomada da Reforma Agrária e diz não ao golpe que a direita está tramando contra o Estado democrático de direito.


Em Jaciara, onde há o encontro das BRs 163 e 364, 600 pessoas fazem o trancamento das rodovias e chamam a atenção para nossas reivindicações. O mesmo se passa na BR 70, entre os municípios de Cárceres e Glória do Oeste, onde 300 companheiros também trancam a rodovia. 

 

SE


No Sergipe foram cinco pontos trancados, três na BR 10, entrada da cidade de Cristinápolis; trevo de Pedra Branca, no município de Laranjeiras; e no Povoado Cruz da Donzela, localizado no município de Malha dos Bois. Os outros dois pontos foram em rodovias estaduais, no município de Simão Dias e no trevo de Vaca Serrada, no alto Sertão sergipano.

As8MJCIfdnU1aLDv_Yekbbc6Ng_CTtxy7-SngwvdY3Yb.jpg
Sergipe

 


BA


Na Bahia, trabalhadores de diversas categorias em todo o estado, juntamente com o MST paralisaram suas atividades e trancaram grandes estradas em todo o estado.


Os petroleiros e químicos fizeram  paralisações de cerca de três horas em unidades da Petrobrás de Transpetro, Refinaria Landulpho Alves, Op-Can (Unidade Operacional de Candeias) e UPGN (Unidade de Produção de Gás Natural) e no pólo petroquímico de Camaçari. 


Nas estradas, o MST e outros sindicatos fecharam a BR 324, BA 093 e na Via Parafuso. Na BR 324, os diretores do Sindicato dos Petroleiros (Sindipetro), Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Petroquímicas (Sindiquímica), Sindicato dos Agentes Disciplinares e dos Socioeducadores (Sindap), Central única dos Trabalhadores e Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), encerraram o ato com uma carreata, que saiu das imediações da empresa Sudic em direção à entrada do município de Simões Filho. 


Em Salvador os comerciários também paralisaram e fizeram um arrastão (marcha com animação cultural) na avenida 7 de setembro, com mais de 200 trabalhadores. No início da tarde acontece um Ato Político e Cultural em Defesa da Democracia em Campo Grande.⁠⁠⁠⁠

 

Aq6_fTQtNPwLuJJCQ_LqJ7OmKIOIJv0f_lGoLf7y58iX.jpg
Bahia 

 

PB
 

Cerca de 500 Sem Terra se preparam para seguir em marcha pelo estado na tarde dessa sexta-feira. Os trabalhadores também trancaram seis Brs em todo estado. Foram elas: Br 361, 230, 101, 073, 104 e 412.

 

PE

Cerca de quatro mil Sem Terra trancaram a BR 101 que corta o estado pelo o litoral sul e norte e zona da mata, a BR 232 que liga a capital sentido interior, a BR 316 no sertão e a PE 041 que liga a capital sentido interior por Caruaru Os trabalhadores exigiram o fim da violência e a retomada do plano de Reforma Agrária.  

 

AvhY6-QJqTjeLW4m-5GeR80nSvLuHGrNoPj3bJTav25V.jpg
Pernambuco

 

SC

Cerca de 400 Sem Terra bloquearam a SC 467 próximo ao município de Abelardo Luz. Também em Santa Catarina, 300 trabalhadores bloquearam o pedágio na BR116 no município de Correia Pinto.

 

AjnfbNFVAr0E-kaObkQ7SpYLw9kTPd4ZqpfYe0jTZXFz.jpg
Santa Catarina 
 
 
CE 

15 mil Sem Terra trancaram de mobilizaram em oito ponto da cidade por Reforma Agrária e contra o golpe. 
 
 
RN
 
Cerca de 800 trabalhadores Sem Terra trancaram quatro trechos em três rodovias federais que cortam o Rio Grande do Norte (um na BR-101/Norte, dois na BR-304 e um na BR- 406). Os trabalhadores exigem a retomada do processo de Reforma Agrária no país.