20160319061306 (1).jpg

 

Do Coletivo de Comunicação do MST na Bahia

 

A Bahia parou em defesa da democracia. Este foi o sentimento que envolveu todos os trabalhadores e trabalhadoras que ocuparam as ruas na última sexta-feira (18) para dizer: “não ao golpe”.


Diferente do dia 13, onde a direita foi às ruas e se mobilizaram em alguns centros urbanos, as lutas dessa sexta mostraram força e articulação com o povo em diversas cidades do estado. 


Em Salvador, foram mais 100 mil pessoas mobilizadas e no interior do estado, cerca de 50 mil em cidades como Teixeira de Freitas, Eunápolis, Itamaraju, Porto Seguro, Barreiras, Itabuna, Guanambi, Juazeiro, dentre outras. 


Marchas, carreatas, intervenções, denúncias, fechamento de BRs e pontes, panfletagens, agitação e propaganda, foram algumas das atividades realizadas que cumpriram o papel de debater amplamente o atual cenário político brasileiro e apontar a necessidade de toda sociedade se mobilizar em defesa de seus direitos.


De acordo com a Frente Brasil Popular, composta dos diversos movimentos e organizações populares, no atual cenário político está acontecendo um processo em que as forças das classes estão sendo medidas, “aparadas por um estado burguês que quer, a qualquer custo, derrubar a democracia brasileira”. 


Explicam também, que a extrema direita está nas ruas e no poder, querendo inviabilizar o Governo, isolando a presidente. “As lutas são para garantir a democracia e este é o momento da classe trabalhadora ocupar as ruas”.


20160318124028.jpg

 

O povo não é bobo


Durante as mobilizações, os movimentos denunciaram a rede Globo de Televisão por violar os princípios éticos e ferir os direitos humanos, servindo como instrumento de validação de um golpe à democracia. 


“Como meio de comunicação deveria prestar o serviço de informação à população, entretanto trai a constituição e torna-se uma ferramenta de manipulação e reprodução da ideologia da extrema direita”, enfatizaram. 


Patrícia Chaves, do Levante Popular da Juventude, disse que a Globo estar construindo um novo golpe no Brasil, similar ao de 64, e o povo está nas ruas para defender a democracia e repudiar este monopólio de comunicação, que não atende os interesses da classe trabalhadora. 


Já Hugo Pacotinho, também do Levante, acredita que não teremos apenas um golpe na democracia e sim a todos os trabalhadores e trabalhadoras do país. “Essa mídia golpista está operando com a elites brasileiras para atacar os direitos conquistados pelos trabalhadores”, enfatizou.


Vem pra democracia


Analisando o método construído pela extrema direita para atacar a democracia e fortalecendo as articulações contra a política golpista em curso, Leonice Rocha, da direção estadual do MST, apontou as lutas de massas como ferramenta de acumulo de força e formação política.


“Este é o país em que lutamos diariamente pela democracia, mesmo após 500 anos da elite no poder. A classe trabalhadora não é besta e por isso estamos nas ruas para frear a tentativa de golpe”, concluiu.


As mobilizações aconteceram em todo Brasil e levaram para ruas milhões de pessoas, apontando a necessidade de fortalecer as lutas para dá continuidade ao projeto democrático de direito construído historicamente pela classe trabalhadora. 


“A burguesia ignora que somos nós que construímos o Brasil diariamente nas fábricas e campos, ou seja, quem realmente tem o poder de parar o país somos nós trabalhadores. Ou respeitem nossas decisões ou vão arcar com o peso da força da classe trabalhadora”, enfatizaram.