Por Greisson Izidório
Da Página do MST


Nesta terça-feira (8), as mulheres Sem Terra fez várias mobilizações no estado para demonstrar a luta por sua emancipação e por uma sociedade mais justa e igualitária.


As ações tiveram como objetivo demonstrar a sociedade que apenas uma Reforma Agrária Popular pode mudar a realidade das mulheres e do campo brasileiro. Além de afirmarem a luta por uma sociedade mais justa e igualitária, contra toda forma de opressão do capital e denunciar a violência sofrida diariamente pelas mulheres.


Em Ibimirim e Goiana, no Litoral Norte, cerca de 200 mulheres realizaram uma marcha contra o agronegócio e em defesa dos direitos das trabalhadoras rurais.


Já em Petrolina, sertão do Pernambuco, as mobilizações reuniram cerca de 200 mulheres em uma ocupação do INCRA para reivindicar crédito de apoio à mulher e agilidade nas desapropriações de terras.


Na capital do estado, Recife, o Movimento fez parte das rodas de diálogo entre mulheres do campo e da cidade, onde fizeram a entrega de uma carta reivindicatória ao governador do estado.


Enquanto que em Tamandaré,  Zona da Mata Sul, houve uma ocupação em um laboratório de mudas de cana-de-açúcar da Usina Santo André. As mulheres permanecem no local para denunciar a monocultura de cana transgênica no estado.