Da Página do MST 

 

O Movimento dos trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)  denuncia e condena o brutal assassinato da líder indígena e dirigente do Conselho Civico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras (COPINH), Berta Cáceres, ocorrido dentro de sua própria casa, na madrugada dessa quinta, (03).


A trajetória de vida de Berta Cáceres é marcada pela sua coragem e determinação nas lutas em defesa do meio ambiente, dos povos indígenas e dos camponeses de seu país e da América Latina.


Incansável lutadora, foi uma das principais lideranças de resistência ao golpe de Estado que destituiu o presidente da república Manuel Zelaya, em junho de 2009.


Por sua liderança politica, recebeu reconhecimento mundial de organizações de direitos humanos e de defesa ambiental.  


Reconhecimentos esses que não impediram que Berta recebesse seguidas ameaças de sequestros e de morte. Ameaças que se concretizaram nessa madrugada.


O MST denuncia o assassinato de Berta Cáceres e das centenas de indígenas e camponeses em toda a América Latina.


Exigimos das autoridades hondurenhas que sejam tomadas as providencias necessárias para esclarecer a ação criminosa e punir seus mandantes e executores. 


O assassinato de Berta Cáceres não pode permanecer impune!


Manifestamos nossa solidariedade e todo nosso apoio e respeitos aos familiares e amigos de Berta e a todas os companheirxs da COPINH pela irreparável perda dessa valorosa companheira de lutas, de ideais e de ideais de uma sociedade sem exploradores e sem explorados.


Reafirmamos o compromisso de dar continuidade à suas lutas!

 

Viva a Luta de Berta Cáceres.

Viva a Luta da COPINH e do povo hondurenho.

Viva a luta dos povos indígenas e dos camponeses da América Latina.

 

Direção Nacional do MST

São Paulo, 3 de março de 2016