Por Karina Vilas Boas
Da Página do MST


O céu carregado e as fortes chuvas tem sido o cenário de Mato Grosso do Sul nos dois últimos meses. Todos os dias têm chovido muito e isso tem acarretado sérios problemas, principalmente na zona rural do Estado. Neste sentido, preocupados com a situação dos assentamentos no estado, na última quinta-feira (15), a coordenação do MST esteve em Brasília e se reuniu com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA).


Na ocasião os dirigentes foram recebidos pela Ministra interina do Desenvolvimento Agrário, Maria Fernanda Ramos Coelho, e pelo diretor de desenvolvimento do Incra Nacional, César Rodrigues, que responde pelo órgão neste período de recesso.


De acordo Jonas Carlos da Conceição, da direção nacional do MST, antes da chuva os assentados já sofriam com a falta de infraestrutura, principalmente para o escoamento de suas produções, agora com as chuvas frequentes a situação piorou bastante.


“Temos assentamentos como o Itamarati, em Ponta Porã, que vai perder milhares de hectares de soja, porque não há como colher e nem como o caminhões transitarem por conta da situação das estradas. Outros estão perdendo a produção de leite, de verduras e assim por diante, por isso essa agenda em Brasília, precisamos de medidas que solucionem essa situação”, afirma.


Outro ponto levantado foi a questão das crianças nas escolas. “O próprio governo do Estado tem falado de adiar as aulas por conta do transporte escolar que não conseguirá transitar pelas estradas da zona rural, além das inúmeras pontes que caíram com a cheia dos rios, enfim a situação está alarmante e nos preocupa muito”, disse.


Segundo Cleiton Alexandre Pereira, que também faz parte da direção do MST no estado, os órgãos nacionais analisaram a solicitação do Movimento e disseram estar acompanhando a situação.


“Já estávamos em negociação por mais infraestrutura para os assentamentos, agora com a chuva isso é emergencial e sentimos do INCRA e do MDA disposição em  articular essas medidas”, ressalta.


Mato Grosso do Sul tem 28 municípios em situação de emergência por causa das chuvas. Mais de 150 pessoas estão afastadas das residências nas cidades de Aquidauana, Miranda e Dois Irmãos do Buriti por conta das chuvas. Em Taquarussú 102 famílias ficaram ilhadas no assentamento Bela Manhã.


Também participaram da reunião membros da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetagri-MS), Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (CONTAG) e o superintendente do INCRA de Mato Grosso do Sul, Humberto de Mello.


A próxima articulação a ser feita, será com governo do Estado, prefeitos, MDA, INCRA, Exército e Integração Nacional, para debater a problemática da chuva e os danos gerados.