Da Página do MST 

 

Na última terça-feira (12), a polícia do estado de São Paulo reprimiu violentamente uma manifestação contra o aumento das tarifas do transporte público, organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL).


Centenas de pessoas ficaram feridas em uma ação desastrosa dos agentes de Estado.


Diante disso o MST lançou uma nota repudiando o despreparo, a falta de diálogo e a clara ameaça ao livre direito de manifestação garantidos em Constituição. 

 

Confira a nota

 

O Movimento vê como desastrosa a ação da polícia do Estado de São Paulo contra manifestantes e a população em geral que, de forma pacífica, estava nas ruas lutando por seu livre direito de mobilização e organização na noite dessa terça-feira (12) no  '2º Grande Ato Contra O Aumento das Tarifas do Transporte Público', organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL).


Os episódios de violência que tomaram as ruas da cidade e que deixaram centenas de feridos, muitos com gravidade, demonstra o despreparo dos agentes.


Partimos do pressuposto constitucional de que manifestações públicas são um direito da população e todos os espancamentos, intimidações, tiros e bombas de "efeito moral", xingamentos, prisões arbitrárias e apropriações indevidas de equipamentos de comunicação e/ou filmagem são injustificáveis e inadmissíveis. 

Os fatos remetem aos episódios fatídicos ocorridos em junho de 2013 e denunciados por organizações de direitos humanos em órgãos internacionais de todo o mundo.


Esperamos que os responsáveis pelos ataques sejam identificados e punidos para que episódios desta natureza não voltem a ocorrer.