IMG_3093.JPG
 

Por karina Vilas Boas
Da Página do MST

 

Os assentados do histórico Itamarati, maior assentamento de Mato Grosso do Sul,  localizado no município de Ponta Porã, terminarão 2015 comemorando mais uma vitória da luta por melhorias na infraestrutura local. Serão cerca de R$ 4 milhões e meio investidos em estradas vicinais, para escoamento da produção e além disso, a partir de agora o núcleo urbano do Itamarati passa a ser responsabilidade da administração municipal.


O ato de assinatura do recurso e a entrega do núcleo urbano aconteceram nesta sexta-feira (18), na sede do INCRA em Campo Grande. Com a presença de membros da Prefeitura Municipal e representantes dos movimentos sociais de luta pela terra, como o MST, que possui um grande número de famílias assentadas na Itamarati.


De acordo com Jonas Carlos da Conceição, da direção nacional do MST, o momento é de comemoração e fortalecimento da luta. “Sabemos que este será o início de um novo tempo em um dos nossos principais assentamentos de MS, o Itamarati, que para nós é simbólico, pois representa que a luta pela Reforma Agrária Popular vale muito a pena e ao longo deste anos nossas famílias vem batalhando pelo desenvolvimento e o recurso das estradas é essencial para o escoamento da produção".


Para o superintendente do Incra no Estado, Humberto de Mello Pereira, o crédito vai fortalecer a produção no assentamento e melhorar a vida das famílias. “Nossa batalha continuará sendo pela soberania alimentar, por isso o Incra está sempre atuando não só pela Reforma Agrária em si, como pela continuidade dela, na qualidade da produção dos assentamentos e sem dúvidas, as estradas são essenciais para a produção e para a melhoria da qualidade de vida das famílias”, afirma.


Sobre o núcleo urbano do assentamento Itamarati, o superintendente, disse que passar a responsabilidade da administração para as Prefeituras é essencial também para a melhoria na qualidade de vida dos assentados. “Temos a ideia de fazer isso em todos os assentamentos, pois ele estão nos municípios e os mesmos devem se responsabilizar por estas localidades, garantindo questões essenciais para os assentados como saúde, iluminação, entre outros serviços públicos que são extremamente importantes para a qualidade de vida das famílias”, ressalta.


Para o membro da direção estadual do MST, Cleiton Alexandre Pereira Valença, que é assentado na Itamarati o Movimento cumpriu papel fundamental na articulação, organização dos assentados e na pressão aos órgãos públicos para que essas conquistas fossem realidades. 


“Momentos como este nos emocionam, pois é uma vitória da nossa árdua luta por uma Reforma Agrária Popular, ampla no sentido dos direitos dos assentados brasileiros. Temos certeza que as estradas facilitarão e muito a nossa vida nos setores de produção, nas cooperativas e ao mesmo tempo o núcleo urbano sendo responsabilidade da administração municipal poderemos cobrar melhorias, principalmente, na saúde, que é uma questão emergencial”, conclui.


Os R$ 4 milhões e meio beneficiarão a recuperação de mais de mil quilômetros de estradas do assentamento. As obras estão previstas para iniciar no primeiro semestre de 2016.​