21810571884_eeee8ee299_z.jpg
Produtos fitoterápicos das áreas de assentamentos durante a 1° Feira Nacional da Reforma Agrária, em São Paulo.


Da Página do MST


De 1º a 4 de dezembro, movimentos sociais e populares participam do 1º Encontro Nacional de Saúde das Populações do Campo, da Floresta e das Águas, no pavilhão A do Parque das Cidades, em Brasília (DF).


Durante quatro dias, cerca de 1000 pessoas de todas as partes do Brasil se reunirão para debater o atual momento da saúde pública brasileira e compartilhar experiências de caráter técnico, político e social.


A abertura do evento, que tem como lema “Cuidar, promover, preservar: a saúde se conquista com luta popular”, acontece nesta terça-feira, às 9h, e contará com presença de autoridades e lideranças nacionais.


Na avaliação dos diversos setores que participam do encontro, a saúde brasileira está cada vez mais submetida a uma lógica mercantilizada e sucateada, por isso, a importância de um evento que congregue todos os movimentos sociais e populares do país.


Para Judite da Rocha, da coordenação do ENSPCFA, “as populações do campo, floresta e das águas sempre sofreram com a falta de políticas públicas que garantissem o acesso à saúde pública e de qualidade. E pensar nesse modelo com a participação da sociedade é combater estruturalmente a atual lógica que afeta essas populações”.


Dentre os principais temas debatidos no encontro, que também contará com oficinas sobre Acesso e Atenção à Saúde; Saúde, Ambiente e Trabalho; Modelos de Atenção; Formação Profissional e Trabalho em Saúde; Manuseio de Plantas Medicinais e Medicamentos Fitoterápicos, entre outras, estão “Modelos de Desenvolvimento e a Determinação Social da Saúde: cenário atual da Saúde do Campo, da Floresta e das Águas”.