IMG_3100.JPG

 

Por Coletivo de Comunicação da Bahia

 

Começou nessa quarta-feira (25) e vai atá o próximo sábado (28), o Encontro Nacional do Setor de Produção do MST, na Escola popular de Agroecologia e Agrofloresta Egídio Brunetto, no Prado, Extremo Sul da Bahia.

 

O evento conta com a participação de 100 trabalhadores Sem Terra de todas as regiões do Brasil que temm como objetivo debater a conjuntura sócio-pólitica nacional, o avanço do agronegócio, as ameaças do capital à Soberania Alimentar e a organicidade do setor de produção, cooperação e meio ambiente.


Os trabalhadores também estão pautando a agroecologia como um modo de vida capaz de superar a lógica do capital e de construir a Reforma Agraria Popular.


Para João Paulo Rodrigues, da direção nacional do MST, a classe trabalhadora é a mais afetada diante do avanço do capital financeiro internacional e das crises econômica, política e social que assolam o país.


 “Os efeitos da avanço do capital no campo, em especial os monocultivos da cana de açúcar e do eucalipto, têm trazido problemas sócio-ambientais seríssimos e ameaça diretamente a soberania alimentar do Brasil”, afirmou.


“Soma se a isso, o avanço do capital através da indústria química que tem trazido centenas de prejuízos a saúde da população, em especial quando se refere ao uso intensivo dos agrotóxicos e dos agroquímicos”, concluiu.


Frente a essa lógica, os Sem Terra entendem a agroecologia como ferramenta capaz romper com o modelo de produção do capital, fomentando novas relações sociais baseadas na solidariedade e no respeito a natureza e ao ser humano.

 

qG04j.jpeg


Nesse sentido Antônio de Miranda, da direção nacional, afirma que a agroecologia, além de revitalizar a biodiversidade do solo, traz outra compreensão na formação e na produção dos trabalhadores.


 “A agroecologia envolve as famílias num processo de construção social através de uma relação harmônica com a natureza”, afirmou Miranda.


Para Elizabeth Rocha, da direção nacional do MST, a socialização das experiências do processo de construção da agroecologia a partir dos acampamentos e nos territórios constituídos em assentamentos servem como elemento integrador da implantação da Reforma Agraria Popular. 


“A Reforma Agraria Popular constitui hoje numa construção que tem como principal objetivo a produção de alimentos saudáveis para toda a sociedade e a recuperação dos recursos naturais que estão sendo dizimados pelo capital”, conclui Rocha. 

 

IMG_3180.JPG