37ed84e8-7451-4e86-891b-671b367af924.jpg

Por Coletivo de Comunicação do MST na Bahia
Da Página do MST


Conhecer as plantas, saber como cultivar o solo, preparar uma adubação orgânica e produzir alimentos saudáveis. Esses conhecimentos estão entre os conteúdos trabalhados na atividade conjunta das escolas Maria de Neuza e Mariana, realizadas na última terça-feira (17) em Camamu, na região baixo sul da Bahia. 


Pela manhã, as atividades foram trabalhadas durante uma gincana que trouxe os elementos da produção de alimentos saudáveis, a importância da agricultura e a história da luta pela terra que deu origem aos assentamentos Paulo Freire e Mariana, onde vivem e estudam os Sem Terrinha.


Para Gabriela Lima, do Setor de Educação do MST, estudar a história de suas comunidades permite aos Sem Terrinha se entenderem enquanto sujeitos construtores da própria história.


“As crianças são fundamentais no processo de transformação social e atividades como essa são importantes para estimular a autonomia e a coletividade nos sem terrinhas frente aos desafios da classe trabalhadora", destacou Lima.


Durante a tarde, as crianças assistiram ao filme Kiriku e a feiticeira, resgatando a importância da cultura e a história africana para formação da sociedade brasileira. 


As professoras Roziene Vidal e Natialie Santos debateram o tema da água com os estudantes, completando o conteúdo com um passeio pelo Assentamento Paulo Freire.


Para encerrar o dia foram homenageadas as cozinheiras das escolas, “pois através do seu trabalho tornaram o estudo possível”, disse os educadores.


As atividades também aconteceram na escola do Acampamento Joares Araújo, em Itagi.