Aq45-OKH-iq0sWmLRWNPSvfyX4itQDzhd84BsGVrOx2J.jpg

 

Do Coletivo de Comunicação do MST na Bahia
Da Página do MST

 

Nesta quinta-feira (12), a população de Porto Seguro acompanhada de membros das Cooperativas de Transporte Alternativo,  Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB), Servidores Públicos e do MST saíram às ruas para pedir a regulamentação do transporte alternativo na cidade.


Com bandeiras, faixas, cartazes e palavras de ordem, os Sem Terra reafirmaram a importância da unidade entre o campo e a cidade na transformação da sociedade e contra as opressões.


De acordo a Edi Carlos, da direção estadual do MST, a regulamentação do transporte alternativo é um direito que há anos vem sendo negado aos trabalhadores do setor e sua legalização só trará benefícios ao município.


“Nós Sem Terra sempre seremos solidários com a causa dos trabalhadores, seja do campo ou da cidade, pois entendemos que nossa luta é conjunta e os movimentos sociais precisam unir para conquistar direitos historicamente negados”, afirmou Carlos.


Para Maria Vitória, professora e moradora de Porto Seguro, a deficiência no transporte coletivo causa muitos transtornos a toda população, em especial aos trabalhadores que necessitam diariamente.


“O transtorno seria maior caso não existisse o transporte alternativo que ajuda cobrir essa deficiência. Diversos trabalhadores diariamente esperam quase duas horas para voltar a seus lares, depois de um longo dia de trabalho”, destacou Vitória.


Durante o ato, os trabalhadores apontaram o crescimento brusco da população nas últimas décadas e o surgimento de diversos fenômenos sociais, entre eles a carência no transporte público, como uma consequência do avanço do agronegócio na região.


“As extensas plantações de eucalipto que existem na região destruíram as comunidades camponesas e obrigaram as famílias a buscar uma nova vida nas cidades, que consequentemente afetou diretamente o planejamento urbano e nos direitos dos trabalhadores”, concluíram.