Por Catiana de Medeiros
Da Página do MST


Quinze famílias ligadas ao MST, acampadas na fazenda Nossa Senhora Aparecida, em Hulha Negra, na região da Campanha, no Rio Grande do Sul, foram ameaçadas por ruralistas.


Segundo integrantes do Movimento, as famílias chegaram na fazenda por volta das 16 horas desta terça-feira (10), e, em seguida, foram intimidadas pela proprietária com ameaças.


Logo após a saída da proprietária, cerca de 100 pessoas chegaram no local armados, ameaçando os Sem Terra de morte caso não se retirassem do local.


“A Brigada Militar esteve na área, mas logo se retirou deixando os ruralistas agirem por conta própria, ameaçando, inclusive, mulheres e crianças”, explica o dirigente do MST, Paulo Machado.


Os Sem Terra alegam que a área, que possui cerca de 500 hectares, já está liberada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra/RS) para assentamento de acampados no estado, o que levou as famílias a se destinarem até o local.


Segundo relatos dos Sem Terra, os fazendeiros saíram da área, retornando cerca de uma hora depois com tropa fortalecida e mais armamentos pesados.


As famílias acabaram sendo despejadas, ainda na madrugada, pelos próprios fazendeiros.