servidores_bsb.png

Da Página do MST


O dia do servidor público foi marcado pela violência e repressão ao direito de manifestação na capital federal do país.


Na tarde desta quarta-feira (28), dezenas de professores e professoras que bloquearam as saídas de Brasília nos Eixões Norte e Sul da cidade, com faixas durante um ato legítimo de protesto contra a intransigência do governo de Rodrigo Rollemberg (PSB), foram violentamente reprimidos pela polícia militar do Distrito Federal.


Diante disso, movimentos sociais lançaram uma nota em apoio e solidariedade aos servidores e ressaltam sua indignação com tal retrocesso.


"É inaceitável que, em plena democracia, os/as professores/as sejam tratados com tamanho descaso e violência pelo simples fato de buscarem melhores condições de trabalho em um setor fundamental na sociedade, a educação", afirmam em trecho da nota.


Confira abaixo o texto na íntegra.


NOTA DE APOIO E SOLIDARIEDADE AOS PROFESSORES/AS DO DISTRITO FEDERAL


“Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda”. Paulo Freire


Manifestamos nossa total e irrestrita solidariedade aos professores/as do Distrito Federal, os/as quais no dia 28 de outubro, em Brasília, organizados e lutando pacificamente por seus direitos, foram barbaramente reprimidos pela polícia militar.


Dezenas de servidores/as bloquearam as saídas de Brasília nos Eixões Norte e Sul da cidade, na tarde desta quarta-feira. A interdição das faixas é um legítimo ato de protesto contra a intransigência do governo de Rodrigo Rollemberg que insiste em não negociar com os servidores/as em greve e não apresentar uma solução pelo pagamento de reajuste ao Magistério Público do DF, que foi adiado pelo governador.


Repudiamos com veemência a irresponsabilidade do governo do Distrito Federal em relação aos trabalhadores/as. É inaceitável que, em plena democracia, os/as professores/as sejam tratados com tamanho descaso e violência pelo simples fato de buscarem melhores condições de trabalho em um setor fundamental na sociedade, a educação.


Além de a educação ser um grande instrumento de libertação, como o grande educador Paulo Freire ensinou, a luta também educa. Os professores/as demonstraram isso hoje e os trabalhadores e trabalhadoras que interromperam a circulação de ônibus no terminal Rodoviário do Plano Piloto até soltarem os/as companheiros/as presos, em solidariedade a esses profissionais da educação, confirmaram a unidade popular para a valorização dos/as servidores/as e da educação no Distrito Federal.


Todo apoio aos professores e professoras do Distrito Federal.


A luta não pode parar!


Assinam essa nota: - Centro de Estudos e Pesquisa Ruy Mauro Marini


- Consulta Popular
- Levante Popular da Juventude
- Movimento de Mulheres Camponesas – MMC
- Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB
- Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA
- Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST
- Via Campesina Brasil