gdf3.jpg


Da Página do MST


Desde esta segunda-feira (21/9), mais de 1200 pessoas de nove movimentos sociais camponeses estão acampadas na sede do Governo do Distrito Federal.


Organizados pelo Fórum pela Reforma Agrária e Justiça o Campo, os acampados reivindicam a destinação de 50 áreas identificadas pelos movimentos sociais para o assentamento de 5 mil famílias acampadas no DF.


“O Governo de Rodrigo Rollemberg assumiu compromissos com as famílias já assentadas e com as famílias acampadas. Estamos chegando ao fim do primeiro ano de gestão e nada foi cumprido; nem áreas foram destinadas à reforma agrária e nem investimentos foram feitos nos mais de 200 assentamentos do DF. Os processos estão paralisados e o Governador ainda anunciou mudanças na administração, desmantelando a Secretaria de Agricultura, a Ceasa e a Emater”, disse Nei Zavaski, integrante da coordenação do MST-DF.


Segundo nota divulgada pelo Fórum, a extinção da Secretaria de Agricultura do DF representa um retrocesso político e econômico para quem sobrevive e investe no setor agropecuário da capital brasileira.


“Está em jogo as políticas de reforma agrária, a manutenção das políticas de desenvolvimento dos assentamentos e, principalmente, o combate aos grileiros no Distrito Federal”, completou Zavaski.


O Fórum pela Reforma Agrária e Justiça o Campo é composto pelo MST, CUT, Fetraf-DFE, MBST, MLT, MATR, MTD, MSTR, FETADFE e FNL.