Da Página do MST


Na manhã desta segunda-feira (24), cerca de 150 famílias do MST ocuparam a Fazenda Capão Cipó, no município de Castro, região dos Campos Gerais (PR).


Na área está instalada a Fundação ABC, instituto voltado a pesquisa agropecuária para as Cooperativas Capal (Arapoti), Batavo e Castrolanda.


Segundo a coordenação do Movimento, as terras onde estão instaladas a Fundação ABC são de propriedade da União, que desde 30 de abril de 2014 aguarda a reintegração de posse. 


Por meio de medida liminar, a União pede que a Fundação ABC deixe as terras por ter encerrado período de comodato (quando há um empréstimo gratuito que deve ser restituída no tempo convencionado pelas partes).


A ocupação da área pretende chamar atenção do governo federal e exigir avanços na Reforma Agrária, que estaria “completamente paralisada”, segundo os Sem Terra. 


“Queremos avançar na reforma agrária. As terras da Fundação ABC são de propriedade da União. Por isso, chamamos atenção desse governo que faz parcerias com a iniciativa privada e não avança na Reforma Agrária”, diz em nota a coordenação estadual do MST.


A Fazenda Capão Cipó possui cerca de 300 hectares. O Movimento explica que está disposto a fazer parcerias para dar continuidade ao desenvolvimento de pesquisas agrárias no local, mas desde que seja voltado à agroecologia.


As famílias Sem Terra acampadas na Fazenda Capão Cipó vieram dos municípios de Castro, Lapa, Teixeira Soares, Ipiranga e Ponta Grossa. 


Segundo os trabalhadores rurais, a ocupação da área é considerada estratégica por também estar perto da cidade de Castro. “Queremos ocupar áreas localizadas perto dos centros urbanos, para garantir a produção e o abastecimento de alimentos agroecológicos das cidades”.