tiaraju.jpg

Por José Coutinho Júnior
Do Brasil de Fato


A Vila União, bairro da Zona Leste de São Paulo, abriga um quartinho que aparenta não ter nada de especial. É nesse quartinho, no entanto, onde o músico, sociólogo e militante Tiarajú Pablo finaliza suas composições.


“Há lugares e locais onde se criam, a inspiração não é um dom divino. Muitas músicas eu fiz no Metrô, indo pra lá e pra cá, bate a ideia e eu escrevo. O quartinho da Vila União não foi um lugar muito inspirador para começar músicas, mas para terminar sim. Porque a rua e viagens te dão a inspiração para compor”, afirma Tiarajú.


No Morro da Brasilândia
Avisa que eu vivi a vida
E cada tijolo à vista
Avista um futuro feliz

No Morro da Brasilândia

Composta numa manhã de sol, no morro da Brasilândia,

Abril de 2004    


Ele está terminando seu primeiro CD com canções próprias, intitulado Latinoamerisamba, que reúne influências pessoais, ideias políticas e uma mistura de ritmos que vão do samba à trova cubana, para cantar sobre a periferia brasileira, a unidade latino-americana e as lutas dos povos.


“Faz mais de oito anos que quero lançar um CD. Mas por conta das atribulações da vida fui adiando. No ano passado, coloquei a meta de que faria isso, senão a gente fica a vida toda enganando os próprios sonhos”.


Tiarajú tem 35 anos, nasceu e foi criado na zona leste. Sua mãe é uma liderança comunitária, e seu pai é argentino, vindo para o Brasil clandestinamente, após o golpe militar de 1976 no país.


A influência da periferia e dos gostos musicais do pai, que é músico amador e conhecedor das músicas latino-americanas, foi fundamental para a formação de Tiarajú como músico.


Sempre participei de rodas de samba, ouvia muito Zeca Pagodinho, Fundo de Quintal e gostava de carnaval e dos sambas enredo. Fui escutando o que a periferia escuta. Na década de 90, o rap, hoje, o funk. Pelo lado do meu pai, ouvia muito tango, melonga, ritmos do interior da Argentina, o que me influenciou muito no gosto musical e gerou interesse na musica do nosso continente”, explica.


O interesse foi aumentando e Tiarajú foi atrás de outros ritmos latinos, como as músicas peruanas, uruguaias e a nova trova cubana. Por conta desse caldeirão de referências e influencias, as canções do CD englobam todos os ritmos.


“Tinha uma reflexão na criação do CD se seria apenas de samba ou voltado para um público que tem conhecimento dessas músicas dos países do continente. E cheguei na conclusão de que precisava das duas coisas. Sou brasileiro da ZL [zona leste] com pai argentino e canto tudo, samba, música de luta. Juntar isso tudo é o mote”, resume.


Além da influência musical, o pai instigou no filho a vontade de viajar. Quando pequeno, o levava à Argentina durante as férias escolares. “Fui incorporando a cultura, a língua. Depois peguei gosto e 'mochilei' pela América Latina várias vezes. Muitas das composições que fiz tinham a ver com os locais que eu visitava”.


Tiarajú desde jovem compunha e tinha predileção pelos sambas enredo. Aos 18 anos começou a participar do grupo especial, compondo para a Águia de Ouro. Ficou na escola de 1998 a 2004, ganhando um samba enredo nesse tempo.


A experiência nesse grêmio recreativo foi fundamental para Tiarajú. “Não gosto que se critique as escolas de samba. Apesar da financeirização delas e do carnaval ter virado algo distante do que queríamos, as escolas têm virtudes que não se pode negar. Elas já foram mais politizadas, mas todas envolvem a comunidade e têm um processo de valorização da cultura popular e da população negra”, afirma.


Cansado da escola de samba e do carnaval convencional, começou a tocar violão, influenciado pela nova trova cubana, e se aproximou do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Em 2008, surgiu um convite do movimento para ajudar a construir a Unidos da Lona Preta, a escola de samba popular do MST.


“A Unidos tem muito a ensinar sobre a importância política do samba, de fazer formação política por meio do samba e primar pela qualidade artística para a mensagem ter mais eficácia. Insistíamos muito em ter qualidade musical, porque o povo não vai respeitar batucada ruim. O samba tem que ser bom, tem que primar pela qualidade artística pra mensagem chegar”.


Enquanto você dormia
A periferia tava de atenção
De olho aberto com os homens
Que vem matar nosso irmão

A periferia não dormiu

Concebida nas quentes ruas de SP de 2013

Agosto 2004


As músicas do álbum Latinoamericasamba vão da periferia de São Paulo, como as favelas da Brasilândia e do Real Parque, até outros países, como Cuba, Venezuela e México. Para Tiarajú, o CD tem músicas que representam lugares, sua passagem e vivência por estes locais. Abaixo da letra de cada música, há uma pequena frase dizendo onde e como ela foi composta.


“Essa coisa de botar onde as músicas foram compostas é uma tentativa de mostrar que fazer música é uma coisa humana. As pessoas, quando pegam um CD, tendem a achar que as canções são atemporais. Só que as letras são compostas num determinado momento, e elas respondem ao que socialmente e pessoalmente te pega naquele momento. Tem músicas que levaram anos para serem compostas e tem músicas que saem de lampejos, em 40 minutos já está pronta”.


Além disso, o conteúdo de muitas canções é fruto da militância de Tiarajú nos movimentos populares da periferia. “A Quero ver quem vai me tirar foi um samba enredo que veio de uma militância muito forte no Real Parque entre 2006 e 2008. Foi um samba de barricada, feito para as questões que estavam dadas com a construção da Ponte Estaiada, a violência que a população sofria. A ideia foi retratar, com ironia, o que é morar na favela, ter barraco incendiado e ao mesmo tempo ter uma ponte de 300 milhões sendo construída do seu lado”. Outros temas, como a luta das Mães da Plaza de Mayo, na Argentina, e as Mães de maio, no Brasil, também estão presentes.


Tiarajú acredita que o ritmo alegre do samba serve para motivar as pessoas a seguir em frente. “Mais do que algo alegre, a percussividade do samba te induz a ir pra frente. A raiva é um sentimento que move mais que a tristeza. A percussão de uma batucada na rua tem que tocar as pessoas a ir pra frente, pra luta. Pra gente se mexer, fazer as coisas, se sentirmos vivos numa sociedade que nos reprime de todas as formas. A percussão na música empurra, dá ânimo”.


>> Serviço:

Show de lançamento do Latinoamerisamba, de Tiarajú Pablo

Quando: domingo (28 de junho), às 15h

Onde: Sesc Itaquera - Av. Fernando do Espírito Santo Alves de Mattos, 1000