Da Página do MST 
 
Representantes do MST e da Articulação internacional dos Atingidos pela Vale participaram com representantes da sociedade civil suiça de uma ação que teve como objetivo denunciar a empresa transnacional Vale Internacional SA, maior mineradora do mundo, na cidade de Saint-Prex.
 
Os militantes denunciaram as consequencias desastrosas das atividades da mineradora para a populações e o meio ambiente no Brasil, e também a política do estado suiço, que ajuda a empresa a sonegar impostos através de importantes isenções fiscais. Os militantes contaram com o apoio de representantes da sociedade civil suiça e de políticos.
 

Sobre a Vale
 
 
Através das suas atividades no Brasil, a Vale expulsa as comunidades camponesas das suas terras ancestrais. As populações que resistem são vítimas da miséria e da destruição do meio ambiente causadas pela empresa, denunciou Edi Carlos da Silva, membro da direção estadual do MST na Bahia.
 
"A atuação da Vale e de várias empresas transnacionais aumenta a concentração das terras e a pobreza no meio rural, impossibilitando a Reforma Agrária. Muitas destas empresas tem sede na Suiça, ou em outros países europeus. Por isto, a nossa luta tem que ser internacional", disse.
 
Juliana Benício, da Articulação Internacional dos Atingidos pela Vale, relatou alguns dos impactos das atividades da mineradora, especialmente nos estados de Minas Gerais e Pará.
 
"Nas comunidades morando na proximidade das minas, o índice de doenças respiratórias tem aumentado muito", disse. 
 
A militante também denunciou a criminalização dos militantes sindicais praticada pela empresa no Brasil.
 
"Devido à baixa do preço do minério de ferro no mercado mundial, a empresa está demitindo em massa trabalhadores no Brasil. E quer impedir todo tipo de mobilização dos trabalhadores. Tudo isto para manter a taxa de lucro da empresa", finalizou.
 
O deputado federal suiço Carlo Sommaruga (Partido socialista), que participou da ação, denunciou a política do estado, que atrai a implantação de grandes transnacionais como a Vale através uma política de generosas isenções fiscais.

"Este dinheiro faz falta à população brasileira e contribiu ao aumento das desigualdades mundiais. É hora que este escândalo pare», enfatizou o deputado, cobrando das autoridades suiças o fim de estas práticas", ressaltou. 

Cobrado pelos manifestantes, o diretor geral da Vale na Suiça, Fidel Blanco, recebeu os representantes brasileiros e o deputado Carlo Sommaruga. Eles puderam expor os desmandos da Vale SA no Brasil e as reivindicações dos movimentos sociais brasileiros.

O diretor geral respondeu que não estava informado dos problemas causados pela mineradora no Brasil, mas que ia transmitir estas informações à Vale Brasil. 

A ação se inseriu em uma séria de atividades e mobilizações previstas contra a reunião das maiores multinacionais ativas no setor de "commodities" que acontecerá dias 20 a 22 de abril na cidade de Lausanne, Suiça.