UFC.jpg

Por Gene Santos
Da Página do MST


Cinquenta jovens de cinco escolas do campo coordenada pelo o MST no estado do Ceará participaram da aula inaugural do Curso de Residência Agrária Jovem na Universidade Federal do Ceará (UFC), na tarde desta terça-feira (30).


O curso, vinculado ao Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (PRONERA), terá duração de dois anos, e tem o objeto de formar jovens estudantes das áreas de Reforma Agrária para uma compreensão crítica da realidade do campo, com base nos princípios da agroecologia e com enfoque no desenvolvimento sustentável do campo, além de contribuir no fortalecimento da organização da juventude.

 

UFC2.jpg

Na aula inaugural, a professora Celecina, da UFC, disse que o desafio é grande, ao lembrar que no Ceará ainda há 8,5% da população analfabeta. “50% dos analfabetos do Brasil estão no Nordeste, e são jovens pobres e negros”, ressaltou a Celecina.


A professora também reafirmou o fato de sermos “um país desigual, e essa desigualdade tem território e classe social, por isso temos que continuar nossa luta no fortalecimento de um projeto como esse que está iniciando”.


Maria de Jesus dos Santos, do setor de educação do MST, fez um debate sobre o curso e a agroecologia. Para ela, “a burguesia brasileira é intransigente, por isso temos que lutar para reafirmarmos nosso projeto de vida”.

 

UFC3.jpg

Na ocasião, Jesus ressaltou ainda que “para termos vida precisamos ter terra e água, não podemos deixar que privatizem os bens naturais, tem que ser bens de uso coletivo”, acredita.


A Sem Terra ainda colocou que o curso de jovem com ênfase na agroecologia “tem que nos ajudar a encontrar saídas para resolver o problema da fome. A fome não é algo dado por Deus, é um problema politico”.


O curso de Residência Agrária Jovem no Ceará é um dos primeiros cursos nesta modalidade no Brasil, e será realizado numa parceria entre o MST, a UFC, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Secretária Nacional da Juventude  e Instituto de Colonização e Reforma Agrária (INCRA).