2015mulheresSE.jpg

Da Página do MST


Nesta segunda-feira (9), cerca de 600 mulheres do MST, Movimento dos Trabalhadores Urbanos (MOTU), Movimento Camponês Popular (MCP) Síntese, Casa das Domésticas e Marcha Mundial de Mulheres saíram as ruas da capital aracajuana, em Sergipe, em comemoração ao dia internacional das mulheres.


A concentração ocorreu na praça Fausto Cardoso, no centro de Aracaju, onde aconteceu um ato político com falas de representantes das organizações presentes. Na sequência as mulheres saíram em marcha pelas ruas da capital com muita música, palavras de ordem e intervenções.


A ação faz parte da Jornada Nacional de Luta das Mulheres Camponesas 2015, que este ano traz o lema Mulheres em Luta: pela soberania alimentar, contra a violência e o agronegócio.


Logo na primeira parada em frente à Câmara Municipal, as manifestantes cobraram mais compromisso por parte dos vereadores e do prefeito, ao exigirem ações que levem em consideração o aumento da violência contra a mulher no estado, a construção de creches integradas e o aumento de vagas para que possam deixar seus filhos enquanto vão para o trabalho.

2015mulheresSE2.jpg

De acordo com Gislene dos Santos, da coordenação nacional do MST, esse é um momento de unificação das lutas do campo e da cidade.


“Temos que dialogar com a sociedade para que se tenha uma melhor compreensão sobre a importância da Reforma Agrária Popular, além de denunciar o aumento extensivo do uso dos agrotóxicos por parte do agronegócio”, acredita.


À tarde as mulheres se deslocaram à sede da superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) de Sergipe, onde entregaram uma pauta de reivindicações, como a questão do Fomento Mulher, uma antiga discussão nacional que ainda não foi resolvida.